Início » Ciência » Software inovador converterá linguagem de sinais em texto

Software inovador converterá linguagem de sinais em texto

Aplicativo tem como alvo as câmeras de celulares, smartphones, tablets e laptops.

Avatar Por

Imagine por um instante que você não consiga compreender uma palavra do que seus amigos dizem numa conversa, que aquele filme sem legendas não está fazendo qualquer sentido ou que então praticamente nada da sua aula favorita está entrando na sua cabeça.

Estes são desafios básicos, cotidianos, de quem tem incapacidades auditivas. Tal qual um outro idioma qualquer, especialmente durante a infância e a adolescência, o aprendizado da linguagem de sinais é um investimento que leva tempo e que frequentemente se choca com um mundo onde este idioma é minoria.

As coisas se complicam ainda mais quando uma pessoa não nasce com tais dificuldades, mas sim as adquire ao longo da vida, talvez até quando adultos. Se incluirmos expressões populares, maneirismos e gírias de cada região, pode-se adicionar algumas camadas a mais de dificuldade. Nem sempre é possível “ler” o mundo em letras quando o som falta.

"Fantástico!" em inglês britânico (sinais)

Pesquisadores da Universidade de Aberdeen (Escócia) pretendem mudar isso, e rápido. Eles tem trabalhado em um programa de computador com enormes potenciais para revolucionar o modo com que pessoas com necessidades auditivas especiais interagem com o seu redor.

O software se chama PSLT (Tradutor Portátil de Linguagem de Sinais) e é baseado no idioma BSL (Linguagem Britânica de Sinais) – sim, cada país tem a sua. No Brasil ela é conhecida como LIBRAS.

O que torna o projeto especialmente inovador é o fato de que o PSLT poderá ser instalado virtualmente em qualquer dispositivo que tenha uma câmera, incluindo smartphones, tablets, netbooks e laptops.

Além disso, o projeto permitirá que o usuário possa criar seus próprios sinais, customizando novas palavras e expressões à sua maneira e assim permitir que a linguagem de sinais possa evoluir com a mesma velocidade que a linguagem sonora, onde novos termos e expressões são criados enquanto você termina de ler este texto.

É justamente este aspecto de personalização desta nova tecnologia que a aponta para um novo momento social para deficientes auditivos. E mesmo tendo a linguagem de sinais evoluído imensamente nas últimas décadas, ainda me lembro de como uma ex-namorada minha (professora de BST) enfrentava dificuldades das mais simples ao interagir com pessoas ‘analfabetas’ em seu idioma.

Deste cenário, que muitas vezes ainda prevalece, espera-se que ao interagirmos uns com os outros, bastará que uma pessoa gesticule para a câmera de nossos smartphones para que assim possamos compreende-la completamente. Tanto em texto quanto em voz (TTS), além de todas as nuances, gírias e peculiariedades de sua expressão.

O PSLT é aguardado ansiosamente pelo mundo para o final de 2013.

Com informações: PSLTA imagem da ilustração foi produzida com o aplicativo Cinemagr.am para iPhone a partir do Dicionário de BSL da SignStation

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Tiago C. Araújo
Que bom... algo que pode ser muito útil, espero que de certo.
@sampva
interessante ! Util para todos nós tecnologia a favor da igualdade sociaL
@LBKatan
Muito interessante! Vai dar pra entender aquelas conversas que você fica tentando entender em uma viagem de ônibus. =P Mas, falando sério(um pouco), é uma ideia muito boa mesmo. Auxilia muito na comunicação de quem tem deficiência com quem não têm. Eu quero aprender LIBRAS, mas, por enquanto, não tá dando. Bom ver, também, que temos faculdades no Brasil estudando isso, como comentaram aí em cima. Nos ajuda a lembrar que temos muita capacidade de criação aqui no país. Só falta um pouco de investimento(achismo) e divulgação(fato).
@LBKatan
Muito bom saber que estão fazendo isso no BR também. O Tecnoblog podia pesquisar essa aí e fazer uma reportagem para nós. =D
@AbrahamAlves
Isso está me parecendo kinect.
Gabriel
Interessante, aqui na EACH (USP Leste) também estão pesquisando o reconhecimento de Libras. Lembro de um professor ter dito que atingiram um acerto de 80%, mas não sei que equipamento estavam utilizando para isso.
@onilira
Laboratório de Aplicações de Vídeo Digital (LAViD) da UFPB ta desenvolvendo um projeto parecido.