Arquivo Telecomunicações

Google consegue fazer balão do Project Loon dar uma volta ao mundo em 22 dias

Emerson Alecrim
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

O desenvolvimento do Project Loon, aquela iniciativa do Google que visa disponibilizar acesso à internet em lugares remotos a partir de balões, continua de vento em popa: em sua última façanha, a equipe do projeto conseguiu fazer um dos balões dar uma volta ao redor do mundo em 22 dias, sem qualquer interrupção.

Mais precisamente, o balão percorreu o hemisfério sul nestes 22 dias (quando o previsto inicialmente eram 33 dias): saiu da Nova Zelândia, sobrevoou a “ponta” da América Latina e seguiu com o percurso até dar uma volta completa ao redor da Antártica. Somando todos os testes realizados, os balões já atingiram a marca de 500 mil quilômetros sobrevoados.

Project Loon: voo sobre o hemisfério sul em 22 dias

Project Loon: voo sobre o hemisfério sul em 22 dias

O Google tem mais de uma razão para fazer – e comemorar – testes como este. Para começar, com eles, a empresa consegue estimar quão rápido pode mover seus balões para determinadas localidades, podendo cobrir inclusive pontos do oceano mais afastados dos continentes. Além disso, a equipe responsável pode avaliar a influência de condições climáticas e geográficas sobre o projeto.

Em relação a este último aspecto, a equipe explicou, por exemplo, que houve momentos em que o balão poderia ter saído de sua trajetória ao ser puxado por um vórtice polar – em poucas palavras, massa de ar intensa que gira sobre si mesma, como em um ciclone. O aperfeiçoamento dos equipamentos e o uso de dados coletados em voos anteriores ajudaram a equipe a burlar este e outros problemas.

O balão usado no teste

O balão usado no teste

Os desafios de um projeto como este são mesmo dos grandes. O Project Loon consiste, basicamente, em posicionar balões especiais a uma distância de aproximadamente 20 quilômetros do solo, ou seja, estes equipamentos devem transmitir sinal para acesso à internet a partir da estratosfera, o que não é nada fácil de ser feito.

Cada balão possui, em média, 15 metros de diâmetro. Painéis para captação de energia solar garantem o funcionamento dos equipamentos de navegação e transmissão por longos períodos – a expectativa do Google é a de fazer com que cada balão consiga ficar no ar por cerca de 100 dias seguidos.

Curiosamente, o teste em questão foi completado apenas poucos dias depois de um balão do Project Loon ter causado espanto ao cair na província de Santa Cruz, no sul da Argentina. O Google explicou que o pouso ali foi intencional mas, como as autoridades da região não pareciam estar esperando pelo ocorrido – algumas pessoas chegaram a acreditar que se tratava de um artefato da NASA -, há dúvidas se a aterrissagem ali foi emergencial ou mesmo proposital.

O balão da "NASA" que pousou na Argentina

O “balão da NASA” que pousou na Argentina

Com informações: GigaOM

Atualizado às 16:53

Emerson Alecrim

Autor / repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais, negócios e transportes. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém um site chamado InfoWester.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque