Arquivo Internet

Microsoft remove 1.500 apps enganosos da Windows Store e promete combatê-los com mais rigor

Emerson Alecrim
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Quão confiável é uma loja de aplicativos repleta de opções que, à primeira vista, podem ser confundidas facilmente com apps de serviços legítimos? É o que ocorre na Windows Store. Felizmente, a Microsoft decidiu agir para combater o problema.

Já não era sem tempo. Antes da medida, bastava uma rápida busca na Windows Store para encontrar aplicativos não oficiais de redes sociais, clones de jogos e até ferramentas que prometem determinadas funcionalidades, mas entregam outras.

Além de aumentar a exposição do usuário a softwares com finalidades maliciosas, esta falta de controle sobre os apps dificultava o acesso a aplicativos oficiais, já que muitas das opções “genéricas” tinham nomes e ícones que remetiam a softwares e serviços legítimos.

Para pôr fim à bagunça, a Microsoft atualizou as políticas da Windows Store e da Windows Phone Store.

Até pouco tempo atrás, uma busca por "Chrome" retornava uma série de apps suspeitos

Até pouco tempo atrás, uma busca por “Chrome”, por exemplo, retornava uma série de apps suspeitos

A primeira mudança diz respeito à denominação: a partir de agora, os aplicativos devem receber nomes e descrições que refletem claramente a sua finalidade.

Os apps também devem ser categorizados de forma condizente às suas funcionalidades. Além disso, ícones que possam ser confundidos com imagens de outros aplicativos estão terminantemente proibidos.

A política mais rigorosa já está fazendo efeito. Segundo a Microsoft, a maioria dos desenvolvedores responsáveis por aplicativos que feriam uma ou mais condições concordou em aplicar as modificações necessárias.

Outros foram menos receptivos. Como consequência, cerca de 1.500 aplicativos irregulares acabaram sendo removidos da Windows Store.

Em seu comunicado, a Microsoft declarou ainda que reembolsará os usuários que tiverem adquirido aplicativos não desejados por conta de descrições ou ícones enganosos.

A companhia também reconheceu que ainda pode haver aplicativos irregulares em suas lojas. Para acelerar a revisão, recursos auxiliares já estão sendo implementados. Usuários que quiserem reportar apps enganosos podem fazê-lo pelo email “[email protected]” ou seguir as orientações desta página.

Com informações: Mashable

Emerson Alecrim

Autor / repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais, negócios e transportes. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém um site chamado InfoWester.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque