Arquivo Telecomunicações

Uma rede que faz celulares “emprestarem” sinal para aparelhos com conexão fraca

Emerson Alecrim
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Você tenta publicar uma foto no Instagram, mas desiste. A rede móvel está com sinal muito fraco. Por alguma razão, alguém próximo está conseguindo obter uma boa conexão. Não seria interessante se você pudesse “pegar emprestado” o sinal desta pessoa via Wi-Fi? Pois a 21Vianet, uma operadora de Hong Kong, pretende lançar em breve uma rede que vislumbra esta possibilidade.

Smartphone - mão

Tecnologia para tal fim já existe. Falta, digamos assim, apenas foco em aplicações do tipo. É neste ponto que a norte-americana M87 entra em cena: a startup trabalha em um sistema que tenta viabilizar o compartilhamento de sinal entre smartphones e afins.

Uma região cuja cobertura móvel é precária pouco ou nada se beneficiará da tecnologia, afinal, o sinal da rede se mostra ruim para todos os usuários.

Mas, se a causa da degradação do sinal for um obstáculo – um conjunto de árvores ou o interior de um prédio, por exemplo -, a tecnologia poderá otimizar a conexão dos usuários prejudicados naquele momento.

A própria M87 dá um exemplo. Imagine que você está em um café, só que na parte mais interna do estabelecimento. A conexão do seu celular está lenta, mas há um usuário da mesma rede sentado próximo à janela que, por conta deste espaço, está obtendo melhor recepção. É nesta hora que ele pode compartilhar o sinal para deixar o seu acesso mais rápido. E tudo de maneira automática, sem que as partes envolvidas percebam.

Teoricamente, a tecnologia não exige que ambos os usuários estejam extremamente próximos. Em locais fechados, a distância pode ser de até 15 metros. Em áreas abertas, este limite salta para 55 metros.

Para o sistema funcionar, o usuário não precisa fazer configurações especiais. É necessário apenas instalar um aplicativo fornecido pela operadora (por enquanto, funcional apenas no Android) ou adquirir um aparelho que já o tenha. Neste último caso, a M87 recomenda que a prestadora permita a desativação do serviço pelo cliente (ação que também o impede de ser beneficiado, é claro).

O “gargalo” da tecnologia está justamente em convencer os usuários a aderirem à ideia. A franquia não é a preocupação: o dispositivo que compartilha sinal não é afetado pelo consumo de dados do outro aparelho.

A própria M87 reconhece que o maior problema está na bateria. Em testes, dispositivos doadores gastaram cerca de 10% da carga para compartilhar sinal durante um dia inteiro.

Como, provavelmente, ninguém passará o dia todo dividindo sinal, o consumo de energia não deve causar grande impacto. No entanto, o usuário que estiver com pouca carga de bateria pode ser prejudicado. É por isso que a M87 sugere algumas regras. Impedir a doação de Wi-Fi quando a carga estiver abaixo de 60% é uma delas.

É claro que há outras preocupações. Como garantir que os dados armazenados no aparelho não serão capturados durante o compartilhamento, por exemplo? Por esta e outras questões que vários testes estão sendo feitos.

A 21Vianet planeja colocar sua rede em funcionamento no início de 2015 justamente para estudar melhor a tecnologia. Além dos aspectos técnicos, a operadora quer avaliar a recepção dos clientes à proposta. Pode ser que, daí, prestadoras de outros países passem a considerar a ideia.

Com informações: MIT Technology Review

Emerson Alecrim

Autor / repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais, negócios e transportes. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém um site chamado InfoWester.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque