Instagram passa Twitter em número de usuários e planeja lançar contas verificadas

Paulo Higa
Por

O Instagram anunciou nesta quarta-feira (10) que mais de 300 milhões de usuários acessam a rede social de fotos todos os meses. O número é maior que o anunciado pelo Twitter há pouco mais de um mês, quando possuía 284 milhões de usuários ativos. Com o rápido crescimento, o Instagram planeja lançar o recurso de contas verificadas, que irá sinalizar quando um perfil é realmente verdadeiro.

O crescimento do Instagram continua impressionante: faz apenas nove meses que a rede social pertencente ao Facebook estava anunciando a marca de 200 milhões de usuários ativos por mês. Hoje, o Instagram armazena nada menos que 30 bilhões de imagens, sendo que 70 milhões de novas fotos são compartilhadas todos os dias, uma média de 800 por segundo.

Segundo o TechCrunch, o Instagram planeja colocar em breve um sinal de conta verificada em perfis de celebridades, atletas e marcas, algo que Facebook e Twitter já fazem. Isso é essencial para aumentar a confiabilidade do serviço, e provavelmente faria com que aquelas promoções falsas de vale compras na Black Friday tivessem um alcance bem menor.

Além de lançar as contas verificadas, o Instagram está desativando totalmente os perfis falsos e de spammers. Essas contas já não são contabilizadas nas estatísticas de 300 milhões de usuários ativos por mês e serão definitivamente excluídas, portanto, se você notar que o seu número de seguidores diminuiu da noite para o dia, não se preocupe.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Editor-executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. Trabalha no Tecnoblog desde 2012, viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. É coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Relacionados