Na área de tecnologia, um cavalo-de-tróia é uma das piores pragas que podem infectar um computador. Ele abre as portas da máquina e deixa um hacker controlá-la como quiser. Mas isso é na área de software. Uma empresa de segurança chamada Secure Network Technologies, no entanto, esticou esse conhecido conceito para a área de hardware. Seus pesquisadores embutiram pontos de acesso sem fio dentro de impressoras para ganhar acesso à rede das empresas.

O teste de segurança ocorre de uma maneira que deixaria Ulisses orgulhoso de ver o seu truque sendo usado nos dias atuais. Um dos funcionários da empresa se veste com um uniforme de uma empresa de tecnologia qualquer e deixa um pacote com uma impressora ou outro componente de hardware na empresa alvo. Dentro dessa impressora, há um ponto de acesso sem-fio escondido. Uma vez que ela é ligada na tomada, esse ponto de acesso é ativado e os pesquisadores passam a ter uma porta de entrada escancarada na rede da empresa.

Estranhamente, a ideia original de fazer esse tipo de ataque surgiu de uma mentira. A inspiração foi um artigo mentiroso que foi publicado pelo na revista americana InfoWorld em primeiro de abril de 1991. O texto dizia que o governo dos EUA usaram o método de impressoras contaminadas para infiltrar a rede de comunicações iraquiana e derrubá-la logo depois.

Então se você for o responsável de TI na sua empresa e acha que pode ser alvo desse tipo de golpe, lembre-se de checar dentro de impressoras por cabos soltos ou caixas que não parecem pertencer ao interior delas.

Com informações: Slashdot, InfoWorld.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Rafael Silva

Rafael Silva

Ex-autor

Rafael Silva estudou Tecnologia de Redes de Computadores e mora em São Paulo. Como redator, produziu textos sobre smartphones, games, notícias e tecnologia, além de participar dos primeiros podcasts do Tecnoblog. Foi redator no B9 e atualmente é analista de redes sociais no Greenpeace, onde desenvolve estratégias de engajamento, produz roteiros e apresenta o podcast “As Árvores Somos Nozes”.

Relacionados