Google e Huawei criam placa semelhante ao Raspberry Pi, mas bem mais cara

Dispositivo roda Android e tem hardware de smartphone

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 1 ano e meio

Roda Android, tem processador octa-core e 3 GB de RAM. Até parece que estou falando de um smartphone, não? Fruto de uma parceria entre Google, Huawei, Archermind e LeMaker, a HiKey 960 é uma plaquinha que tem todos esses recursos. O dispositivo lembra o Raspberry Pi, mas vai muito mais além, tanto em termos de desempenho quanto no preço.

HiKey 960

Para ser exato, a HiKey 960 é equipada com o Kirin 960, chip da Huawei composto por quatro núcleos Cortex-A73 de 2,3 GHz e outros quatro Cortex-A53 (com menos performance) de 1,8 GHz. A GPU é uma Mali-G71 MP8. Os 3 GB de RAM são do tipo LPDDR4 e há ainda 32 GB de memória UFS 2.1 para armazenamento interno de dados expansíveis com microSD de até 2 TB.

O dispositivo conta também com duas portas USB 3.0, uma conexão USB-C (mas com interface USB 2.0), uma porta HDMI 1.2 com suporte à resolução full HD (apesar de a GPU suportar 4K), uma porta GPIO de 40 pinos, conector M.2 (para dispositivos de armazenamento), interface PCI Express 2.0, além de Wi-Fi 802.11ac e Bluetooth 4.1. Tudo isso em uma placa com dimensões de 85 x 55 mm.

HiKey 960

Mas o objetivo aqui não é fazer frente ao Raspberry Pi e similares. É claro que você pode empregar a HiKey 960 em uma grande diversidade de projetos, porém, o dispositivo foi idealizado para facilitar o trabalho de desenvolvedores que criam software para Android — a placa é compatível com o Android Open Source Project (AOSP) com kernel Linux 4.4.

Está aí a razão para um preço tão elevado (na comparação com o Raspberry Pi 3, pelo menos, que custa US$ 35). A HiKey 960 custará US$ 239 nos Estados Unidos. O lançamento oficial está previsto para maio. Não há previsão de disponibilidade no Brasil, mas o produto poderá ser enviado ao país com frete de US$ 40, aproximadamente.

Com informações: The Verge

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Relacionados

Relacionados