Surface Book 2 pode descarregar bateria mesmo ligado à tomada em sessões de jogos

Paulo Higa
Por
• Atualizado há 2 anos
Microsoft Surface Book 2

O Surface Book 2 é o notebook da Microsoft para concorrer com o MacBook Pro. Ele tem design de liga de magnésio, promete bateria de 17 horas e possui um hardware poderoso, que inclui uma GeForce GTX 1060 no modelo de 15 polegadas. Mas rodar games nele revela um problema: a bateria pode descarregar mesmo quando o laptop estiver ligado à tomada.

A falha acontece porque a Microsoft não incluiu uma fonte de alimentação capaz de manter o Surface Book 2 funcionando em sessões mais intensas, como quando a GPU trabalha em sua potência máxima. O notebook traz um carregador de 102 watts, mas até 35 watts são consumidos pelo processador quad-core Core i7–8650U e 70 watts pela GeForce GTX 1060.

Apenas três watts não parecem fazer tanta diferença, mas veja que nem consideramos o consumo da tela de 3240×2160 pixels e de outros componentes do Surface Book 2. Além disso, sempre há perda de energia no processo: segundo o The Verge, a fonte de alimentação de 102 watts, na verdade, é capaz de fornecer 95 watts para o notebook. Como resultado, a bateria descarrega 10% por hora ou mais, dependendo do game.

A Microsoft confirma que a bateria do Surface Book 2 pode descarregar “em alguns cenários intensos e prolongados de execução de jogos” quando a fonte de alimentação inclusa é utilizada, mas ressalta que isso ocorre quando o usuário seleciona a opção de “melhor desempenho” nas configurações de gerenciamento de energia.

Então basta escolher uma configuração mais econômica para evitar o problema? Talvez, mas isso acaba revelando outra limitação: quando a opção “desempenho bom” ou “bateria mais longa” é selecionada, a GeForce GTX 1060 tem a performance severamente reduzida, o que “torna o notebook inutilizável para games depois de menos de 10 minutos”, nas palavras do The Verge.

Como o conector de energia do Surface Book 2 é capaz de suportar até 120 watts, uma fonte de alimentação mais potente poderia resolver o problema — mas ela ainda não existe no mercado. Então, se estiver querendo um notebook para games, é bom procurar outra opção por enquanto.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Editor-executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. Trabalha no Tecnoblog desde 2012, viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. É coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Relacionados