Está bom, mas está ruim. Essa talvez seja a melhor forma de resumir a situação atual da Lenovo no mercado: divulgados recentemente, os últimos resultados financeiros mostram que a companhia conseguiu fazer mais dinheiro entrar no caixa, por outro lado, as divisões de PCs e smartphones continuam preocupando. A pior parte é que não há sinal de melhora no curto prazo.

Os números dizem respeito ao último ano fiscal da companhia, encerrado no final de março. No quarto trimestre desse período, a Lenovo obteve receita de US$ 10,6 bilhões, superando as expectativas, que eram de US$ 9,8 bilhões.

Considerando todo o ano fiscal, a receita foi de US$ 45,3 bilhões, um aumento de 5% em relação ao período anterior. Mesmo assim, a empresa encerrou o ano fiscal com prejuízo de US$ 189 milhões. Apesar de o último trimestre ter sido bastante favorável para a Lenovo, há a desconfiança de que a companhia não irá manter esse ritmo. 2018 tende a ser um ano nebuloso, portanto.

Mas o que está dando errado? Os problemas começaram em 2014, depois que a Lenovo comprou a Motorola Mobility do Google. Parecia que a companhia iria se firmar no segmento de dispositivos móveis, mas até hoje a Lenovo não conseguiu fazer a integração das duas marcas dar certo.

 Lenovo Vibe a7010

Uma série de fatores influenciaram nisso, entre eles, a decisão de simplificar a marca Motorola para Moto (já revertida), certa “bagunça” na quantidade de aparelhos lançados nos últimos meses e falta de um smartphone realmente capaz de fazer frente aos topos de linha de companhias como Samsung e Xiaomi.

A situação é mais confortável no segmento de PCs, mas não muito: embora tenha conseguido registrar vendas significativas, a Lenovo viu o seu posto de líder desse mercado ser tomado pela HP no ano passado.

É verdade que o desempenho tem sido ótimo nas vendas de servidores, mas esse segmento apenas ameniza a situação das outras áreas. Entre outras medidas, a companhia promete reagir dando mais atenção a mercados mais promissores para dispositivos móveis, como América Latina e Estados Unidos. Mas a Lenovo sinaliza que nenhuma grande melhora deve ser notada antes de 2019.

Com informações: Bloomberg.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Relacionados