Netflix testa assinatura mais barata apenas pelo celular na Malásia

Conteúdo, neste plano mais barato, não pode ser visualizado em uma TV e nem em HD

André Fogaça
Por
• Atualizado há 2 anos
Netflix / Freestocks / Unsplash

No começo desta semana a Netflix demonstrou que pretendia oferecer planos mais baratos em alguns países. Poucos dias depois, a imprensa da Malásia notou que, por lá, existe a possibilidade de assinar o serviço de streaming para acessar o conteúdo apenas via celular, com custo reduzido.

No lugar do plano mais econômico que temos no Brasil, que permite assistir filmes, séries e tudo mais do catálogo da Netlfix em aparelhos de TV, computadores e smartphones, o novo pacote lançado na Malásia libera apenas o stream para um smartphone ou tablet, sem acesso para TV, computador e sem alta definição.

O valor deste plano gira em US$ 4, mais ou menos R$ 15. Para poder assistir o conteúdo em uma TV, o valor mínimo é o dobro do cobrado na opção mais econômica, mas ainda sem stream em HD. Para aumentar a resolução, o pacote mais barato custa US$ 10, ou algo próximo de R$ 38 por mês.

Além de oferecer uma assinatura mais acessível, o objetivo da novidade é de tornar a Netflix mais popular na Ásia. Outra atitude da empresa americana é de aumentar a produção de conteúdo próprio da marca na região. Atualmente a Ásia conta com mais de 100 programas de TV e filmes que estão em desenvolvimento.

Atualmente a Netflix conta com mais de 137 milhões de assinantes ao redor do mundo, um número que certamente a empresa quer inflar para poder sobreviver ao perigo que é o Disney+, que deve chegar em vários países já no começo do ano que vem.

Com informações: Mashable.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
André Fogaça

André Fogaça

Ex-autor

André Fogaça é jornalista e escreve sobre tecnologia há mais de uma década. Cobriu grandes eventos nacionais e internacionais neste período, como CES, Computex, MWC e WWDC. Foi autor no Tecnoblog entre 2018 e 2021, e editor do Meio Bit, além de colecionar passagens por outros veículos especializados.

Relacionados