4Bus é um novo “Uber de ônibus” que promete viagens até 60% mais baratas

4Bus começa a operar nesta quinta-feira (14) em Santa Catarina e tem app para Android e iPhone

Emerson Alecrim
Por

A Buser já não é a única plataforma que pode ser considerada um “Uber dos ônibus”: nesta quinta-feira (14), a 4Bus começa a operar oficialmente em Santa Catarina. O serviço por aplicativo (para Android e iOS) promete transporte rodoviário por valores até 60% mais baratos na comparação com as passagens oferecidas pelos serviços tradicionais de ônibus.

Ônibus da 4Bus

Ônibus da 4Bus (Foto: Revista do Ônibus)

Por ora, a 4Bus destaca apenas viagens de Florianópolis para Curitiba ou São Paulo e vice-versa, mas, com o tempo, rotas em todo o Brasil poderão ser adicionadas, tanto intermunicipais quanto interestaduais.

É preciso apenas que haja demanda. A empresa explica que o próprio usuário pode sugerir um destino — se um grupo for montado a partir daí, a viagem acontece. Se houver cancelamento, os usuários serão avisados com até 48 horas de antecedência e poderão reaver o valor pago ou usá-lo como crédito para outra viagem.

Basicamente, o que esse tipo de serviço faz é montar grupos de viagem e contratar empresas de fretamento de ônibus para cumprir as rotas. A 4Bus afirma que os veículos ligados à sua plataforma são novos e trazem recursos como Wi-Fi, TV e tomada USB para recarga de celular.

A 4Bus é fruto de uma parceria entre a Associação das Empresas de Transporte Turístico e Fretamento de Santa Catarina (Aettusc) e a Cooperativa de Transporte Rodoviário de Passageiros, Serviços e Tecnologia (Buscoop). O investimento para botar a plataforma para funcionar é estimado em R$ 20 milhões.

4Bus - aplicativo

Sem nenhuma surpresa, empresas de ônibus que realizam rotas regulares não estão gostando nada disso. Ao site NSC Total, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros em Santa Catarina (Setpesc) disse que já denunciou a 4Bus à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e que irá levar a empresa à Justiça.

“É clandestino. Isso é muito sério. Pode quebrar as empresas. Eles não têm compromisso, como nós, de conceder as gratuidades, como dois lugares para idosos e 50% de desconto aos demais [idosos que não conseguirem a gratuidade]”, declarou Elias Sombrio, superintendente do Setpesc.

Relacionados

Relacionados