Início / Notícias / Computador /

Intel corre atrás da Arm com nova aposta em tecnologia RISC-V

Arquitetura RISC-V é uma das apostas da Intel para disputar espaço em um mercado cada vez mais dominado por tecnologias Arm

Emerson Alecrim

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

Depois que Satya Nadella assumiu as rédeas da Microsoft, a companhia mudou radicalmente e agora dá mais abertura ao Linux, por exemplo. Algo parecido está acontecendo com a Intel: desde a chegada de Pat Gelsinger como CEO, a companhia vem fazendo apostas que antes pareciam impensáveis. A mais recente é investir em chips do tipo RISC-V, um padrão até então distante de seus planos.

Pat Gelsinger, CEO da Intel (imagem: divulgação/Intel)
Pat Gelsinger, CEO da Intel (imagem: divulgação/Intel)

Não é que uma onda de benevolência tenha atingido a Intel. O que a nova direção percebeu é que, para voltar a ocupar uma posição dominante no mercado, a companhia deve olhar para além do próprio quintal. Essa postura é importante para o enfrentamento de uma das suas principais concorrentes: a Arm.

Olha aí a oportunidade

Talvez você se lembre que, há alguns anos, a Intel fabricou chips para celulares e tablets. Mas, em 2016, a companhia desistiu desse segmento. Houve mais de uma razão para isso, mas a principal delas é o fato de que os chips da marca não conseguiam ter o desempenho das unidades baseadas em arquitetura Arm, principalmente no quesito eficiência energética.

Como consequência, a Intel teve que assistir a companhias como Qualcomm, MediaTek e Samsung (todas com chips baseados em arquitetura Arm) assumirem o mercado de dispositivos móveis. Enquanto isso, a Intel direcionou os seus esforços ao que faz de melhor: processadores para PCs e servidores.

Mas as tecnologias da Arm não encontram espaço apenas em dispositivos móveis. A chegada dos processadores Apple M1 provou que a arquitetura Arm pode combinar alto desempenho no processamento com eficiência energética em computadores, por exemplo.

Sob o olhar atento de Gelsinger, a Intel vem reagindo ao novo cenário, primeiro pelo caminho mais óbvio — o aperfeiçoamento de seus chips com arquitetura x86 (ou a promessa de); depois com a abertura para outras tecnologias.

Isso explica o mais recente anúncio da companhia: a criação de um fundo de US$ 1 bilhão para investir tanto em startups recém-criadas quanto em empresas estabelecidas que trabalham com tecnologias para semicondutores, incluindo o padrão RISC-V.

Mas o que é RISC-V?

Paralelamente ao anúncio do fundo de US$ 1 bilhão criado pela Intel, a RISC-V International deu as boas-vindas à companhia ao seu conselho de administração e à sua comunidade de desenvolvimento.

Mas o que vem a ser RISC-V? Esse é o nome da quinta versão de uma arquitetura de conjunto de instruções (ISA, na sigla em inglês) para chips chamada Reduced Instruction Set Computing. Ao contrário de outras ISAs, como Arm e x86, a RISC-V é um projeto de código aberto, razão pela qual a sua implementação pelos fabricantes não exige o pagamento de taxas de licenciamento.

A RISC-V foi introduzida em 2010 e, para que possa ser mantida como um projeto consistente, seguro e atraente até para fins comerciais, vem sendo administrada por uma organização dedicada: a RISC-V International, da qual a Intel agora faz parte, como você já sabe.

Placa com os dizeres "O futuro do RISC-V não tem limite" no RISC-V Summit 2021 (imagem: Twitter/RISC-V)
Placa com os dizeres “O futuro da RISC-V não tem limite” no RISC-V Summit 2021 (imagem: Twitter/RISC-V)

RISC-V combina com a nova fase da Intel

Até um passado recente, seria difícil imaginar a Intel dando espaço à RISC-V. Mas, como o Ars Technica bem aponta, existe uma janela de oportunidade aqui, pois chips baseados em RISC-V tendem a ser menores e, eventualmente, mais baratos do que aqueles que trazem tecnologia Arm.

É verdade que chips RISC-V não podem enfrentar a arquitetura Arm no mercado de celulares — pelo menos não na atual fase —, mas a Intel já se conformou com isso, aparentemente.

Por outro lado, a arquitetura RISC-V pode ajudar a companhia a conquistar espaço em segmentos tão ou mais promissores, a exemplo de chips para sistemas embarcados (para carros, indústrias, sistemas hospitalares e assim por diante).

Não dá para afirmar se veremos novos chips RISC-V com a marca da Intel em um futuro próximo, até porque, pelo menos inicialmente, o foco da companhia estará em apoiar a expansão do ecossistema RISC-V e o seu aprimoramento tecnológico.

De todo modo, a Intel já tem produtos baseados em RISC-V: os chips programáveis Nios V.

Por ora, o que mais importa é a percepção de que a abertura ao padrão RISC-V condiz com a atual e nova fase da Intel, que inclui o anúncio de novas fábricas, planos de produzir chips para terceiros e o iminente lançamento de placas de vídeo dedicadas.

Existe mesmo uma Intel antes e outra depois de Pat Gelsinger.