Jack Ma, bilionário da Alibaba que fez críticas à China, foi morar no Japão

Jack Ma está morando no Japão há seis meses; bilionário quase não é mais visto em público desde que criticou autoridades chinesas

Bruno Gall De Blasi
Por

Jack Ma pertence ao grupo de bilionários. O fundador do Alibaba, no entanto, passou a enfrentar momentos de tensão desde que criticou as autoridades da China há cerca de dois anos. De lá para cá, o empresário desapareceu algumas vezes, e agora não foi diferente: segundo o Financial Times, o executivo está morando no Japão.

Jack Ma )Imagem: Reprodução/Meik Magazine)
Jack Ma (Imagem: Reprodução/Meik Magazine)

Toda essa história começou em outubro de 2020. Na época, Jack Ma criticou a regulação do sistema financeiro da China, seu país natal. As declarações, no entanto, não foram muito bem recebidas.

Diante dessa situação, o bilionário quase não foi visto em público desde então. E isso aconteceu outra vez recentemente.

O mistério, porém, foi resolvido: Jack Ma está morando há seis meses com a sua família em Tóquio, no Japão.

As informações partiram do Financial Times. Segundo o periódico nesta terça-feira (29), o executivo vive uma vida normal, e até viaja para os Estados Unidos e Israel regularmente. No entanto, tudo é feito com discrição para não chamar a atenção de ninguém.

Só não sabemos até quando Jack Ma continuará no Japão ou buscará outro destino após a descoberta do seu paradeiro.

Jack Ma sumiu outras vezes desde 2020

Este não é o primeiro episódio de desaparecimento que chama a atenção. Em janeiro de 2021, o bilionário foi dado como desaparecido após se queixar do governo chinês. Na época, até as redes sociais do executivo ficaram desatualizadas por meses.

Não demorou muito para o executivo reaparecer. Alguns dias depois, Ma apareceu em uma videoconferência com mais de 100 professores rurais da China. A localização do bilionário, por outro lado, não foi revelada.

Logo em seguida, o executivo encarou outros problemas. Em abril de 2021, o Alibaba foi multado em US$ 2,75 bilhões por órgão um regulador de mercado da China após se tornar alvo de ação antitruste no país. O grupo, vale lembrar, é responsável pelo AliExpress.

Com informações: Business Insider e The Guardian.

Relacionados

Relacionados