Autores comemoram e dubladores criticam audiolivros narrados por IA

Plataforma Audible, da Amazon, recebeu mais de 40 mil títulos com voz produzida por inteligência artificial da própria empresa

Giovanni Santa Rosa
Por
Microfone em estúdio
Custos de gravação de audiolivros são muito altos, argumentam autores independentes (Imagem: Dan Lefebvre / Unsplash)

A plataforma Audible, da Amazon, já oferece mais de 40 mil audiolivros narrados com “voz virtual”. O número foi atingido seis meses após o lançamento de uma ferramenta de inteligência artificial para escritores autopublicados, que não contam com editoras e usam o serviço Kindle Direct Publishing. A alternativa divide opiniões: autores gostam, dubladores criticam e leitores (ou seriam ouvintes?) mostram preocupação.

O programa de voz virtual do Kindle Direct Publishing (KDP) foi anunciado em novembro de 2023. Ele está disponível apenas nos Estados Unidos para escritores convidados. Os autores podem escolher um preço entre US$ 3,99 e US$ 14,99, ficando com 40% da renda. Geralmente, os custos para transformar um título em audiolivro são proibitivamente altos para quem não conta com o suporte de uma editora, chegando a milhares de dólares nos Estados Unidos.

Print de site aberto no computador, com destaque para o trecho: "O que está incluso? Acesso ilimitado a um catálogo com mais de 100 mil títulos, em diversos idiomas. Possibilidade de ouvir em diversos dispositivos, continuando de onde parou. Download de audiolivros uma só vez, podendo escutar offline, sem interrupções. Desconto de 30% para compras de audiolivros do catálogo adicional."
Audible está disponível no Brasil por R$ 19,99 mensais (Imagem: Reprodução / Tecnoblog)

Isso trouxe uma possibilidade de renda extra para os escritores autopublicados. Driblar este gasto e colocar o título em uma nova mídia pode ampliar os ganhos dos autores.

Além disso, o processo é rápido: o escritor Hassan Osman disse, em seu blog, que levou apenas 52 minutos para transformar um livro de 48 páginas em áudio. Depois disso, em apenas 72 horas ele já estava disponível na Amazon.

Leitores/ouvintes e narradores, porém, mostram desconforto com a novidade. Os consumidores reclamam que a Amazon não tem nenhuma opção para separar os livros narrados por IA dos gravados por humanos. No X (antigo Twitter), o narrador Roman de Ocampo disse que a tecnologia ainda não roubou todos os empregos, mas está tentando.

Editoras querem traduzir audiolivros usando IA

A jornalista Ashley Carman, da Bloomberg, diz que suas fontes da indústria editorial não parecem tão convencidas de que livros narrados por IA serão o futuro. Ela comenta que obras mais pessoais ou autobiográficas podem não ficar tão boas ao serem narradas com vozes virtuais, sem a emoção humana envolvida.

Há também casos em que o próprio narrador é um diferencial para o audiolivro. Orgulho e preconceito, clássico de Jane Austen, conta com uma versão em português gravada pela atriz Denise Fraga, por exemplo.

Um uso da IA que parece ser aceito, porém, é na hora de passar o conteúdo para outros idiomas. O grupo HarperCollins tem um acordo com a ElevenLabs para traduzir audiolivros em inglês com o auxílio da tecnologia.

Não seria o primeiro caso do tipo: o Spotify já começou a clonar vozes e traduzir podcasts, e você já deve ter se deparado com algum vídeo dublado automaticamente no YouTube.

Com informações: Bloomberg

Receba mais sobre Inteligência Artificial na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa

Repórter

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Canal Exclusivo

Relacionados