BetterAnime e mais sites piratas de anime estão fora do ar após Operação 404

Policiais civis de Alagoas e Minas Gerais cumprem mandados de busca e apreensão contra sites piratas de anime; ao todo, seis páginas estão fora do ar

Bruno Gall De Blasi
Por
• Atualizado há 5 meses
Pirataria
BetterAnime e mais sites piratas de anime estão fora do ar após ação da Operação 404 (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

As autoridades brasileiras iniciaram mais um desdobramento da Operação 404 coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública. Em fevereiro, policiais civis de Alagoas e de Minas Gerais deflagraram ações contra sites de pirataria de animações japonesas, conhecidas como anime. Devido às investigações, os portais BetterAnime e o Animes-Vision encerraram as atividades.

Os primeiros passos das operações começaram em Minas Gerais. No dia 8, o ministério anunciou que a Polícia Civil mineira cumpriu mandados de busca e apreensão em Pompeu. A justiça também determinou bloqueio ou suspensão dos sites, além da desindexação de conteúdo em mecanismos de busca e a remoção de páginas em redes sociais ligadas a estes portais.

“Durante o cumprimento dos mandados, o objetivo é a apreensão de equipamentos computacionais, dentre os quais: HDs internos, dispositivos informáticos, que demonstrem a materialidade de crime”, explicaram.

Mais tarde, no dia 14, foi a vez da Polícia Civil de Alagoas. 

Em nota à imprensa, as autoridades alagoanas afirmaram que cumpriram um mandado de busca e apreensão, além de suspensão de páginas, em Arapiraca, “onde reside um dos responsáveis por piratear” animes. Como resultado, as autoridades coletaram o computador, celular e outros dispositivos do investigado.

Polícia Civil de Alagoas cumpre mandado de busca e apreensão para investigar site pirata de anime (Imagem: Divulgação/Polícia Civil de Alagoas)
Polícia Civil de Alagoas cumpre mandado de busca e apreensão para investigar site pirata de anime (Imagem: Divulgação/Polícia Civil de Alagoas)

Seis sites piratas de anime estão fora do ar

No começo do mês, o Ministério da Justiça e Segurança Pública não chegou a listar quais portais foram atingidos pela ação. Todavia, a pasta ressaltou que os dois “maiores sites de pirataria digital em anime” foram retirados do ar.

Mas a lista de páginas indisponíveis é maior. De acordo com um levantamento feito pelo Tecnoblog, seis sites de anime ficaram fora do ar recentemente. É o caso do BetterAnime e do Animes-Vision, que encerraram as atividades de vez.

Ao acessar o BetterAnime, o responsável diz que o site foi desligado “por motivos de direitos autorais”. O proprietário ainda esclareceu que não foi preso. A equipe do Animes-Vision apontou que a decisão foi tomada “por motivos maiores e de direitos autorais”.

Além dos portais encerrados, quatro domínios seguem inacessíveis no Brasil: Anime Online, Animes BR, Animes Online HD e Animes Online. No último caso, o Torrent Freak chegou a encontrar um tweet recente mencionando a página como ativa, porém, inacessível.

Todavia, ainda não se sabe se os portais supracitados foram retirados do ar para sempre ou não.

Operação 404 já derrubou diversos serviços de IPTV pirata (Imagem: Glenn Carstens-Peters / Unsplash)
Operação 404 já derrubou diversos serviços de IPTV pirata (Imagem: Glenn Carstens-Peters / Unsplash)

Operação 404 já derrubou serviços de IPTV pirata

As ações que derrubaram os sites de anime são um desdobramento da Operação 404, que está em atividade há anos. Para se ter ideia, em novembro de 2020, o Ministério da Justiça e Segurança Pública fechou mais de 300 serviços de IPTV pirata.

Outras incursões aconteceram de lá para cá. Em 2021, a terceira fase da operação foi responsável por derrubar mais de 400 serviços de IPTV pirata em nove estados: Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Maranhão, Pará, Pernambuco, Rondônia, Rio Grande do Sul e São Paulo. Novamente, as investigações contaram com a participação de policiais civis.

No ano passado, a Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu uma pessoa em operação contra sites de IPTV pirata. Ao todo, a ação cumpriu 13 mandados de busca e apreensão. A quarta edição da Operação 404 resultou na queda de 226 websites e 461 apps irregulares.

Relacionados