Buser bate recorde de passageiros em meio a entraves com fiscalização

Durante feriado de 12 de outubro, Buser bateu recorde ao registrar 40 mil passageiros transportados em um único dia

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 2 anos e 5 meses
Ônibus no ponto de embarque da Buser (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

A pandemia ainda não acabou, mas com o avanço da vacinação contra a COVID-19 pelo Brasil e a diminuição do número de casos da doença, muitos brasileiros estão voltando a viajar. A Buser sentiu esse movimento neste mês: durante o feriado de 12 de outubro, a plataforma bateu o seu recorde de passageiros transportados.

Na verdade, foram dois recordes. O primeiro é o de passageiros transportados em um único mês: foram 460 mil pessoas em setembro de 2021, um aumento de 580% em relação ao mesmo período de 2020 e de 40% na comparação com agosto deste ano.

O outro recorde foi alcançado em 8 de outubro, a sexta-feira que antecedeu o feriado: foram 40 mil passageiros transportados somente nessa data. O recorde anterior havia sido registrado na época do feriado de 7 de setembro, quando 32 mil pessoas embarcaram nos ônibus associados à plataforma da Buser em um único dia.

Considerando todo o período do feriado de 12 de outubro, a empresa registrou mais de 150 mil embarques. Mais de 400 ônibus das empresas parceiras foram convocados para dar conta da demanda, revela a Buser.

Agora, a plataforma se prepara para os próximos feriados. A expectativa é a de que a movimentação de viajantes seja ainda mais intensa durante as festas de final de ano.

Problemas com fiscalização

Se por um lado a Buser registra recordes de usuários viajando a partir de sua plataforma, por outro, continua tendo problemas com órgãos de fiscalização ou com processos judiciais.

Um dos imbróglios mais recentes envolve a Prefeitura do Rio de Janeiro, que interditou o terminal usado pela Buser para embarque e desembarque na cidade. A área, que fica próximo ao antigo Hotel Glória, deveria ser usado somente para estacionamento, não para embarques e desembarques, de acordo com as autoridades locais.

Em nota, a empresa manifestou surpresa com a decisão, mas afirma que, apesar disso, tem intenção de respeitar a interdição, razão pela qual encaminhou um ofício à Prefeitura do Rio de Janeiro pedindo um prazo para remanejamento dos embarques e desembarques.

Neste ponto, vale lembrar que a Buser não tem permissão para parar em terminais rodoviários.

Ônibus ligados à Buser (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
Ônibus ligados à Buser (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Mas esse é só um dos problemas. A companhia ainda lida com frequentes ações de fiscalização em rodovias de vários estados que resultam em apreensão de ônibus, além de ser alvo de ações judiciais, boa parte oriunda de organizações que representam empresas de transporte que operam linhas regulares.

Esses entraves são tão comuns que, em entrevista concedida ao Tecnoblog no final de 2020, Marcelo Abritta, CEO da Buser, declarou que a empresa havia gasto até então cerca de R$ 15 milhões só com despesas judiciais.

Mesmo com esses problemas, a Buser segue em expansão. Prova disso é que, no mês de setembro, a plataforma passou a conectar 160 trechos no Nordeste e, recentemente, anunciou a sua chegada à região Norte. Com isso, a empresa passou a oferecer seus serviços em todos os estados do Brasil mais o Distrito Federal.

Receba mais sobre Buser na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados