Cade aprova compra de parte do controle da Embraer pela Boeing

Boeing poderá deter 80% do capital do negócio de aviação comercial da Embraer

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 2 anos e 5 meses
Embraer 175-E2 (imagem: divulgação/Embraer)
Embraer 175-E2

Um ano e meio depois do anúncio da fusão entre Boeing e Embraer, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) deu aprovação ao negócio, sem restrições. Para o órgão, as duas companhias não atuam nos mesmos mercados e, por isso, não há riscos de a operação gerar problemas concorrenciais.

O posicionamento do Cade diz respeito a duas transações. A primeira prevê a aquisição pela Boeing de 80% do capital do negócio de aviação comercial da Embraer. Essa é a divisão que responde, por exemplo, pelas aeronaves das famílias ERJ 145 e E-Jets (como os modelos E175 e E195).

Para o Cade, essa operação não deve afetar negativamente o mercado de aviões comerciais com capacidade entre 100 e 150 assentos, o segmento que foi levado em consideração para a análise.

“Na verdade, a ampliação do portfólio da Boeing deve aumentar sua capacidade de exercer pressão competitiva contra a líder Airbus, empresa que domina esse mercado”, diz o órgão.

Já a segunda transação corresponde à criação de um joint venture entre Boeing e Embraer para a produção da aeronave militar KC-390. Nessa operação, a Boeing deverá ter 49% de participação, cabendo os 51% restantes à Embraer.

Para esse segmento, o Cade afirma ter analisado o mercado de aeronaves de transporte militar, categoria que, além do Embraer KC-390, inclui os modelos C-40 Clipper e KC-46 Pegasus, ambos da Boeing.

Embraer KC-390

Embraer KC-390

A entidade entende que o negócio não representa a união dos portfólios das duas companhias para o segmento de transporte militar, apenas participação em um projeto comum, situação que não caracteriza exercício de poder de mercado.

Com base nessas análises, o Cade decidiu aprovar o negócio sem restrições:

O Cade concluiu que a operação resultará em benefícios para a Embraer, que passará a ser um parceiro estratégico da Boeing. Dessa maneira, a divisão que permanece na Embraer — aviação executiva e de defesa — contará com maior cooperação tecnológica e comercial da Boeing.

A aquisição de parte da Embraer pela Boeing já havia sido aprovada pelo governo dos Estados Unidos. O negócio ainda precisa passar por análise da União Europeia, que deve emitir uma decisão até o final de abril.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados