Facebook abre exceção para sátiras e humor nas diretrizes de conteúdo

Atualização nas diretrizes de conteúdo que abre exceção para sátiras parte de recomendações feitas pelo Comitê de Supervisão

Bruno Gall De Blasi
Por
• Atualizado há 2 anos e 5 meses
App do Fcaebook (Imagem: Brett Jordan/Unsplash)
App do Facebook (Imagem: Brett Jordan/Unsplash)

As regras do Facebook para conteúdos serão atualizadas. A companhia informou em seu centro de transparência que vai abrir exceção para sátiras e humor nas diretrizes da rede social. A decisão é uma repercussão do caso sobre um comentário relacionado ao povo armênio e ao genocídio armênio feito por um usuário dos Estados Unidos.

A decisão parte de cinco recomendações feitas pelo Comitê de Supervisão. Entre elas, está a segunda indicação, que sugere ao Facebook incluir a “exceção de sátira, que não está disponível atualmente para os usuários em linguagem acessível, nos Padrões da Comunidade sobre discurso de ódio”. A rede social, por sua vez, informou que a observação deve ser adicionada às diretrizes de conteúdo até o fim do ano.

Os detalhes sobre a decisão foram revelados em uma publicação no portal atualizada nesta quinta-feira (17). A rede social disse que vai adicionar informações aos Padrões da Comunidade que deixem claro onde a sátira será considerada como parte da avaliação de decisões específicas do contexto. “Essa mudança permitirá que as equipes considerem a sátira ao avaliar possíveis violações do discurso de ódio”, afirmaram.

Facebook recebe outras recomendações do comitê

A companhia ainda recebeu outras recomendações. A primeira diz que o Facebook deve tomar providências para garantir que a notificação aos usuários se refira às regras. A terceira aponta que a rede social precisa adotar procedimentos para moderar adequadamente o conteúdo satírico, levando em consideração o contexto relevante.

A quarta sugestão é voltada à permissão para que os usuários indiquem em seu apelo que “seu conteúdo se enquadra em uma das exceções à Política de discurso de ódio”. Por fim, a quinta indicação aponta que a plataforma precisa garantir que “as apelações com base nas exceções da política tenham prioridade na análise humana”. O Facebook está “avaliando a viabilidade” dessas quatro sugestões do Comitê de Supervisão.

Site do Facebook no celular (Imagem: Solen Feyissa/Unsplash)

Site do Facebook no celular (Imagem: Solen Feyissa/Unsplash)

Entenda o caso

As recomendações partem de um caso ocorrido em dezembro do ano passado. Na ocasião, um usuário dos Estados Unidos publicou o meme dos “dois botões”, onde um deles dizia “o genocídio armênio é uma mentira” e o outro “os armênios eram terroristas que mereceram isso”. O personagem que iria pressionar uma das teclas era representado pela bandeira da Turquia e demonstrava sinais de nervosismo.

O comentário foi removido em seguida. Mas houve divergências entre os moderadores quanto ao motivo: enquanto um julgava que o meme violava os Padrões da Comunidade sobre discurso de ódio, outro considerou que a imagem violava as regras sobre conteúdo cruel e insensível. A sátira acabou removida pela segunda opção.

O caso acabou sendo questionado pelo usuário e foi levado ao Comitê de Supervisão. Em resposta à comissão, o Facebook argumentou que o meme viola os princípios sobre discursos de ódio da plataforma. Mas o comitê optou por revogar a decisão da rede social de remover o conteúdo e exigiu que o comentário fosse restaurado.

Com informações: Engadget, Comitê de Supervisão e Facebook (Centro de Transparência)

Receba mais sobre Facebook na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Bruno Gall De Blasi

Bruno Gall De Blasi

Ex-autor

Bruno Gall De Blasi é jornalista e cobre tecnologia desde 2016. Sua paixão pelo assunto começou ainda na infância, quando descobriu "acidentalmente" que "FORMAT C:" apagava tudo. Antes de seguir carreira em comunicação, fez Ensino Médio Técnico em Mecatrônica com o sonho de virar engenheiro. Escreveu para o TechTudo e iHelpBR. No Tecnoblog, atuou como autor entre 2020 e 2023.

Canal Exclusivo

Relacionados