Chrome de 64 bits chega a celulares Android com no mínimo 8 GB de RAM

Além de 8 GB de RAM ou mais, Chrome de 64 bits exige Android 10 ou superior; novidade é mais rápida no carregamento de páginas

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 2 anos e 5 meses
Chrome de 64 bits em um Galaxy S21+ com 8 GB de RAM (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
Chrome de 64 bits em um Galaxy S21+ com 8 GB de RAM (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

O Google Chrome de 64 bits começou a ser testado no Android há cerca de um ano. Como o lançamento do Chrome 89 neste mês de março, finalmente a variante de 64 bits passou a ser liberada publicamente. Mas não para todo mundo: a novidade só está sendo disponibilizada em celulares que rodam o Android 10 ou superior e tenham pelo menos 8 GB de RAM.

De acordo com os desenvolvedores, o Chrome de 64 bits é até 8,5% mais ágil no carregamento de páginas, além de 28% mais suave nos quesitos rolagem de tela e latência de entrada. Nada mais natural que essa versão atraia um grande número de usuários, portanto.

Porém, a exigência de 8 GB de RAM ou mais limita consideravelmente o alcance dessa versão, afinal, celulares Android com 4 GB (ou menos) de memória ainda são comuns no mercado, cenário que perdurará por bastante tempo: modelos intermediários com essa quantidade de RAM ainda são lançados.

Nos smartphones que atendem aos dois mencionados critérios, o Chrome 89 de 64 bits está sendo liberado automaticamente. Para saber qual versão está instalada em seu aparelho, basta digitar chrome://version na barra de endereços do navegador.

As razões para as restrições de instalação do Chrome de 64 bits ainda não ficaram claras. Também não está claro se futuras versões do navegador suportarão celulares com menos quantidade de memória RAM.

De todo modo, a última atualização do Google Chrome para Android também traz recursos que otimizam a versão de 32 bits, com destaque para o gerenciamento de memória que, aprimorado, agora consegue fazer o navegador ser 13% mais rápido na inicialização.

Isso é possível graças a uma abordagem que faz o navegador guardar uma versão leve de cada aba aberta na sessão anterior. Essa versão ocupa menos espaço na memória, algo equivalente ao exigido por uma captura de tela. As versões leves das guias são então acionadas durante a inicialização. Enquanto isso, as guias originais vão sendo carregadas em segundo plano.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados