Google coloca alerta contra PL das Fake News na busca e no Chrome

Ao divulgar link de carta contra PL das Fake News para milhões de usuários na página principal de buscas, Google repete no Brasil tática usada na Austrália

Pedro Knoth
Por
Google coloca link para carta contra PL das Fake News na busca e em novas abas do Chrome (Imagem: Nathana Rebouças / Unsplash)

O Google se posicionou contra a aprovação do PL das Fake News na última sexta-feira (11), mas resolveu ir além para alertar milhões de usuários sobre supostos perigos da proposta que tramita na Câmara dos Deputados. A plataforma agora colocou o seguinte aviso debaixo da barra de sua ferramenta de busca e ao abrir uma nova aba no Chrome: “Saiba como um projeto de lei pode tornar sua internet menos útil e segura”.

No aviso, está um link que leva à carta da empresa com críticas ao PL, publicada na semana passada, assinada por Fábio Coelho, presidente do Google no Brasil. Na nota, a empresa cita que a versão atual da proposta de lei facilitaria as ações de “agentes mal-intencionados” para espalhar desinformação na própria ferramenta de busca e no YouTube. Caso aprovado, o texto tornaria serviços do Google no Brasil “menos úteis e seguros”.

Google repete no Brasil tática contra lei na Austrália

Ao colocar o link para sua carta em novas abas do Chrome e na página principal de buscas, o Google repete uma tática idêntica a que foi usada na Austrália. Em 2019, a empresa também publicou uma carta contra um projeto de lei no país que a obrigava a pagar por conteúdo jornalístico disponível em seu site.

O alerta aparecia em formato de pop-up: “a forma como os australianos usam o Google está em risco”. A companhia ainda cita danos à “elaboração de pesquisas” feitas pela plataforma.

Google coloca aviso na página principal de sua ferramenta de busca (Imagem: Reprodução)

O projeto de lei australiano foi elaborado com base na grande receita do Google no país com anúncios online. A maior parte desse faturamento era originada de conteúdos de agências de notícia, mas a empresa não pagava por nada, algo considerado desproporcional pelo órgão que fiscaliza a internet na Austrália. A proposta foi aprovada pelo governo em fevereiro de 2021.

O argumento utilizado pelo Google ao tentar convencer seus milhões de usuários australianos de que a lei era negativa, de forma geral, também é muito parecido com o que está sendo utilizado contra o PL das Fake News brasileiro: a piora de serviços como ferramenta de busca e YouTube, assim como vantagens dos grandes grupos de mídia frente às pequenas empresas de jornalismo.

Google News preferiu deixar Espanha a pagar jornalistas

A atual versão do PL das Fake News (PL 2630/2020) propõe que provedores de busca e redes sociais com mais de 2 milhões de usuários registrados forneçam dados sobre a forma como ferramentas de moderação atuam para penalizar contas e conteúdos. E também obriga as big techs, como Google e Facebook, a remunerarem agências de notícia por disponibilizarem conteúdo em suas páginas.

A empresa tem histórico de reagir negativamente a projetos de lei que a obrigam a pagar por conteúdo jornalístico. Em 2014, o Google News chegou encerrar atividades na Espanha após ser obrigado a remunerar jornais por conteúdo online — e só recentemente está analisando voltar a ativa no país.

Contudo, o Google possui algumas iniciativas de apoio ao jornalismo brasileiro. Em 2020, por exemplo, a empresa inaugurou um programa que atualmente remunera 60 veículos jornalísticos para que licenciem e forneçam conteúdo a usuários. Essa mesma iniciativa está presente em outros países, como a Alemanha.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Pedro Knoth

Pedro Knoth

Ex-autor

Pedro Knoth é jornalista e cursa pós-graduação em jornalismo investigativo pelo IDP, de Brasília. Foi autor no Tecnoblog cobrindo assuntos relacionados à legislação, empresas de tecnologia, dados e finanças entre 2021 e 2022. É usuário ávido de iPhone e Mac, e também estuda Python.

Canal Exclusivo

Relacionados