Qualcomm processa Apple na China e quer interromper produção de iPhones

Paulo Higa
Por
• Atualizado há 1 semana
iPhone X

O episódio mais recente da disputa judicial entre Qualcomm e Apple foi parar do outro lado do mundo. A fabricante de processadores entrou com uma ação contra a Apple na China e quer interromper a produção de iPhones no país — de onde saem a maioria das unidades distribuídas no mundo.

De acordo com a Bloomberg, a Qualcomm abriu um processo em um tribunal de propriedade intelectual de Pequim, exigindo medidas contra a Apple por violação de patentes. A empresa de Tim Cook não estaria pagando royalties de invenções que envolvem gerenciamento de energia e tela sensível à pressão, caso do Force Touch presentes nos iPhones mais novos.

A briga acontece especialmente porque a Qualcomm quer cobrar os royalties com base em uma porcentagem do valor total dos iPhones — o que certamente rende um bom dinheiro, ainda mais com aparelhos sendo vendidos a mil dólares. Tim Cook não concorda, e diz que as patentes da Qualcomm abrangem somente uma pequena parte do que o iPhone é.

Fato é que, por enquanto, a Qualcomm é quem está se dando mal. A empresa já sofreu duas derrotas da Apple nos tribunais americanos. Para piorar, na quarta-feira (11), ela foi condenada a pagar multa de US$ 773 milhões em Taiwan por abusar de sua posição dominante no mercado de modems para celulares; a Apple também acusa a Qualcomm de se aproveitar do monopólio para cobrar taxas exorbitantes de royalties.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Ex-editor executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. No Tecnoblog, atuou como editor-executivo e head de operações entre 2012 e 2023. Viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. Foi coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Relacionados