Subiu aí? Apple aumenta os preços do iCloud no Brasil e mais países

Fabricante atualizou o preço do seu serviço de armazenamento em nuvem para diversos países, incluindo o Brasil; novo valor já está atualizando para novas assinaturas

Felipe Freitas
Por
Apple aumentou o preço de todos os seus planos do iCloud nesta terça-feira (Imagem: Divulgação/Tecnoblog)

A Apple aumentou os preços do iCloud no Brasil e em outros vários países. Agora, o plano básico sai por R$ 4,90, enquanto a versão mais cara do serviço da Apple sai por R$ 49,90. O aumento dos preços só não foi realizado nos Estados Unidos.

O iCloud, serviço de armazenamento em nuvem da Apple, também está inclusa na assinatura do Apple One, que inclui outros recursos oferecidos pela fabricante — como o Apple TV+, Apple Arcade, Apple Music e Fitness+.

O “combo de produtos” da Apple não teve seu valor elevado. E também não devem ser alterados tão cedo, já que a fabricante aumentou o valor do Apple One em diversos mercados há algumas semanas.

iCloud básico teve aumento percentual de 40% em seu valor

  • O maior aumento percentual é do plano básico do iCloud, que subiu 40%, saindo de R$ 3,50 para R$ 4,90. Esse plano fornece ao usuário até 50 GB de armazenamento na nuvem.
  • O plano “intermediário”, para até 200 GB, saiu de R$ 10,90 e foi para R$ 14,90. Esse aumento de R$ 4 significa um acréscimo de 36,6%.
  • Já o serviço mais caro, que entrega 2 TB para os usuários, passou para R$ 49,90 — antes era R$ 34,90. O crescimento no valor é de 42,9%.
Novo preço do iCloud já é cobrado no Brasil (Imagem: Giovanni Santa Rosa/Tecnoblog)
Novo preço do iCloud já é cobrado no Brasil (Imagem: Giovanni Santa Rosa/Tecnoblog)

Além do Brasil, entre os países que tiveram aumento no iCloud estão Arábia Saudita, África do Sul, Emirados Árabes Unidos, Polônia, Romênia, Suécia, Tanzânia e Turquia. Conforme mostrado na captura de tela acima, o novo preço já é cobrado para os assinantes do serviço no Brasil.

Manter o preço igual nos Estados Unidos não é uma surpresa. A Apple costuma manter os valores de seus serviços e produtos mais “travados” no seu país-sede, jogando a conta em outros mercados.

Com informações: 9to5Mac

Relacionados