iPhone 7

As consultorias divulgam periodicamente um estudo dos países que têm o iPhone mais caro do mundo. O Brasil é campeão há anos seguidos, mas o último relatório do Deutsche Bank trouxe uma surpresa: fomos ultrapassados pela Turquia.

De acordo com o banco, um iPhone 7 com 128 GB de armazenamento custa em média US$ 1.200 na Turquia, valor 47% maior que o mesmo produto nos Estados Unidos, onde o aparelho é vendido por US$ 815. O Brasil ficou em segundo lugar, com preço de US$ 1.115, seguido por Rússia (US$ 1.086), Grécia (US$ 1.028) e Polônia (US$ 1.005).

Do outro lado da tabela estão Japão (US$ 815), Hong Kong (US$ 821), Malásia (US$ 846) e Canadá (US$ 855). Nesses países, o valor não ultrapassa 5% em relação ao preço cobrado nos Estados Unidos.

A perda do trono se deve à crise política na Turquia, onde o presidente Recep Tayyip Erdogan fechou meios de comunicação e censurou a internet: na semana passada, a Wikipédia foi bloqueada em todo o país depois de se recusar a remover conteúdos. O país foi marcado por escândalos de corrupção, manifestações nas ruas e tentativa de golpe militar. A lira turca perdeu metade de seu valor em relação ao dólar em três anos.

Além disso, em 2016, pela primeira vez na história, um iPhone foi lançado no Brasil com preço mais baixo que o antecessor: o iPhone 7 chegou ao mercado brasileiro em novembro, com preço sugerido de R$ 3.499, abaixo dos R$ 3.999 cobrados pela versão mais básica do iPhone 6s na época do lançamento.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Ex-editor executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. No Tecnoblog, atuou como editor-executivo e head de operações entre 2012 e 2023. Viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. Foi coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Canal Exclusivo

Relacionados