Twitter suspende contas por uso suspeito e usuários reclamam: “censura”

A hashtag #TwitterCensura ficou em alta nesta segunda-feira (14); usuários reclamam de perder seguidores na rede social

Ana Marques
Por
• Atualizado há 2 anos e 4 meses
Twitter no iPhone (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)
Twitter no iPhone (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)

Muitos usuários do Twitter viram o número de seguidores despencar nesta segunda-feira (14). Aparentemente, a situação foi provocada por mais uma checagem rotineira de identidade de contas na rede social, com o objetivo de eliminar bots e spam. A hashtag #TwitterCensura chegou a figurar entre os assuntos mais comentados no microblog.

Segundo relatos de usuários do Twitter, alguns perfis perderam cerca de 8 mil seguidores em 24 horas. Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro chegaram a encarar a atitude como “censura direcionada à direita”.

“Sem aviso prévio,  o Twitter desapareceu com seguidores de milhões de perfis? Isso não é abuso de poder? Em países democráticos isso não devia acontecer”, diz um usuário do microblog.

O ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, também reclamou da perda de seguidores na rede social: “Acabaram de me tirar 10 mil seguidores no Twitter…”, tuitou o economista.

Abraham Weintraub reclama por perder seguidores no Twitter (Imagem: Reprodução/Twitter)

Abraham Weintraub reclama por perder seguidores no Twitter (Imagem: Reprodução/Twitter)

Twitter explica oscilações em número de seguidores

Procurado pelo Tecnoblog, o Twitter afirmou que o número de seguidores na plataforma pode oscilar quando a rede social realiza as checagens regulares de contas com comportamentos suspeitos.

Segundo a empresa, o objetivo dessas checagens é “proteger a integridade e a legitimidade de conversas em seu serviço”. Durante a operação, o Twitter solicita que perfis suspeitos confirmem informações que possam comprovar a existência de uma pessoa por trás deles. Assim, a companhia tenta reduzir o número de bots e contas fake feitas para spam.

Se nós detectamos mudanças de comportamento repentinas em uma conta, podemos desabilitá-la (limitando suas funcionalidades e impedindo que ela tweet, retweet ou curta conteúdos na plataforma) e entramos em contato com o dono da conta para confirmar que ele ainda a controla. Essas mudanças de comportamento podem incluir tweetar um grande volume de respostas ou menções a contas que não a seguem e tweetar links enganosos – ou se um grande número de contas bloqueia uma mesma conta depois de serem mencionadas por ela. Às vezes nós desabilitamos uma conta se vemos que combinações de e-mail e senha de outros serviços são publicadas na internet e acreditamos que aquelas informações podem colocar a segurança de uma conta em risco. Nestes casos, nós solicitamos que as contas troquem suas senhas para protegê-las. Até que haja confirmação de que tudo está bem com a conta, nós a desabilitamos, o que as torna incapazes de tweetar ou ver anúncios na plataforma.

Twitter, em postagem no blog oficial

As políticas contra spam e manipulação do Twitter proíbem contas falsas ou que mantenham comportamento abusivo ou desordeiro. A plataforma também não permite que usuários usem contas sobrepostas ou que interajam mutuamente para amplificar artificialmente o engajamento ou prejudicar conversas na rede social.

Vale reforçar ainda que criar contas de fã-clube, de paródia ou de comentários não são atitudes que violam as políticas do Twitter. Você também pode “coordenar com outras pessoas para expressar ideias, pontos de vista, apoio ou oposição a uma causa, desde que tal comportamento não resulte em violações das Regras do Twitter”.

Com informações: Twitter.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Ana Marques

Ana Marques

Gerente de Conteúdo

Ana Marques é jornalista e cobre o universo de eletrônicos de consumo desde 2016. Já participou de eventos nacionais e internacionais da indústria de tecnologia a convite de empresas como Samsung, Motorola, LG e Xiaomi. Analisou celulares, tablets, fones de ouvido, notebooks e wearables, entre outros dispositivos. Ana entrou no Tecnoblog em 2020, como repórter, foi editora-assistente de Notícias e, em 2022, passou a integrar o time de estratégia do site, como Gerente de Conteúdo. Escreveu a coluna "Vida Digital" no site da revista Seleções (Reader's Digest). Trabalhou no TechTudo e no hub de conteúdo do Zoom/Buscapé.

Canal Exclusivo

Relacionados