Início » Demais assuntos » O petabyte de Avatar e o fim do tédio no cinema

O petabyte de Avatar e o fim do tédio no cinema

Avatar Por

Impossível não comentar sobre Avatar, o estrondoso sucesso do momento, segunda maior arrecadação da história - por enquanto - e que já começou a papar prêmios ontem, na cerimônia do Globo de Ouro. Tenha você gostado ou não, há fatos relevantes a discutir sobre essa obra, muito além da computação gráfica e da bilheteria. Primeiro foi o empenho na construção desse filme. Fala-se no custo de U$ 230 milhões. Para onde foi todo esse dinheiro?

O filme de James Cameron foi feito com uma nova tecnologia de filmagem chamada 3D Fusion, invenção do próprio, em parceria com o diretor de fotografia Vince Pace. O resultado: 1 petabyte de material digitalmente produzido. Quanto seria isso? Bem, imagine 500 HDs de 2 TB lado a lado.

Não tem ilha de edição no mundo capaz de renderizar um gigante desses, exceto uma, na minúscula Miramar, cidade da Nova Zelândia - o mesmo lugar onde se fez King Kong e O Senhor dos Anéis. A Weta Digital é um super datacenter composto por 34 racks, cada um com 4 chassis de 32 máquinas cada, resultando em 40.000 processadores e 104 TB de RAM, tudo conectado entre si numa rede de 10 gigabits.

Revolução nas salas de cinema

O segundo ponto a comentar foi a sacudida no mercado cinematográfico. A eminência da estréia fez com que, ano passado, donos de salas de cinema corressem para fazer o "upgrade". Hoje temos uma quantidade razoável de salas 3D no Brasil, além das 2 IMAX, cuja grande diferença é a tela gigantesca, que, em conjunto com o 3D, traz uma experiência de imersão no filme sem igual.

Um pouco receosa de pegar filas enormes e gastar R$ 30 num ingresso de cinema em dia de semana, arrisquei, animada ao ler os primeiros reviews e tranquilizada pelos assentos marcados. Saí de lá hipnotizada. Foi um dinheiro bem gasto, a ponto de ter decidido ver só extras caso compre um DVD no futuro. Para não macular tão grandiosa lembrança.

Se donos de estúdios, produtores, cinemas e distribuidores andavam arrancando os cabelos por causa da pirataria e da troca livre de arquivos pela internet, agora eles podem virar o jogo: a nova tecnologia é a chance de trazer de volta às telonas o público que, entediado pela falta de novidades nas salas de projeção, acomodou-se com o homevideo e a internet.

Na indústria das TVs também já sentimos agitação. Só que ainda estamos longe, muito longe de ter dentro de casa uma experiência 3D comparável ao cinema. Algumas fabricantes já trouxeram aparelhos no mercado - um fiasco de vendas, tão precários que foram imediatamente removidos das poucas prateleiras que ousaram abrigá-los. Na CES desse ano também vimos novidades, mas ainda a anos luz de se instalarem em nossas salas de estar. Pelo preço e pela exigência do usuário ficar estático em seu sofá, ou aderir aos indefectíveis óculos especiais. Ainda há muito a trabalhar.

Nesse meio tempo, Hollywood se assanhou e em 2010 já temos uma agenda boa de produções 3D. Estava mais do que na hora dos estúdios correrem atrás de inovações ao invés de usuários P2P. Para nós, espectadores, novidades tecnológicas diferentes de DRM são muito bem-vindas.

Fontes dos números citados nesse artigo: Clickbits, Information Management e Vizworld

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Fernando
1 petabyte pra computação grafica, não é nada. 1 HD de 1 TB custa em média 300 reais, ou seja 300 mil reais São necessarios 1000 desses para ter a mesma capacidade de armazenamento. Hoje usuários comuns ocupam 1 TB fácil, graças a Internet cada vez mais rapida. pra uma empresa que ganha bilhões, 300 mil não é nada. O foda da Weta é a capacidade de processamento, pois eles tem um dos SuperComputadores mais rapido do mundo e esta na lista dos TOP 200. Pra terem idéia de como computação grafica ocupa espaço fácil assista o curta: http://vimeo.com/10471831 e veja o making: http://vimeo.com/7708580 PS: adoro Computação Gráfica e estou criando um curta, em breve maiores informações.
Lojaturbo
Quer script msn, subir varias janelas para os contatos, http://scsites.co.cc !!!
Lucas Simões
1 Petabyte é muita coisa? Sim é muita coisa, eu mesmo não consigo imaginar quantos documentos do word de 25 KB podem caber em tudo isso, mas, algum tempo atráz eu estava pesquisando na internet algumas coisas sobre o google e descobri que ele processa por dia 20 Petabytes... Agora tente imaginar 20 Petabytes sendo processados diariamente... Seria uma overdose de informações para um pessoa comum. =D
Kernell
Só uma curiosidade pro pessoal, a Weta Digital é de propriedade do Peter |Jackson, que criou a empresa quando estava começando a pré-produção de O Senhor dos Anéis. Ele achava que as empresas que existiam na época não dariam conta de todo o trabalho digital do filme, então resolveu criar a sua própria empresa, estando a frente dela até hoje.
Psysapiens
(...)Para nós, espectadores, novidades tecnológicas diferentes de DRM são muito bem-vindas. Falou e disse Garota Sem Fio =].
Rodrigo
Suponho que tu já baixou uma versão pirata e assistiu na tv então...
Rodrigo
Sim, concordo plenamente. Não adianta cobrar 15 reais por uma entrada de cinema (mais outros 10 por um balde de pipoca) para assistir um filme mediano que se vê em casa. Sendo que alguns abonados já têm home-theater com telão (o meu está no projeto). Se é para cobrar caro (essa é pro Cinemark), que seja para ver um espetáculo. Assisti duas vezes Avatar, em 3-D. É um deleite para os olhos. E para quem curte tecnologia. Agora, pra quem gosta de novela e dramalhões com sofrimento sem fim, fique em casa assistindo SuperCine e entrando em depressão.
Thiago Mobilon
Para responder o comentário de alguém, é só clicar no botão "Reply". :P
Rafael
Este filme parece que vai ou está revolucionando como matrix,mais olha só o que acontece quando todo aquele dinheiro é bem invetido em marketing pois hoje em dia os filmes não são tão bons mais a propaganda...!!rs
Tiago Celestino
Não acredito que essas novas tecnologias vai mudar muito a pirataria, principalmente no Brasil, aonde ir no cinema e ainda em 3D é para poucos.
Wolfgang
O filme é fantástico, o 3D impressiona toda vez que aparece de surpresa... muito bom
Felipe Prado
Re: Guilherme Reis mas nesse caso podemos dizer que o enrredo do Ultimo Samurai foi uma cópia do enrredo do Avatar, pois esse filme começou ser produzido logo após o Titanic, o qual foi o último filme de James Cameron, esse filme demorou mais de 10 anos para ser feito, até porque, a qualidade do 3D tá simplesmente a melhor possível, e quem meche com 3D sabe o que eu to falando, o quanto é demorado para fazer e renderizar um filme desses.
Ezyo Lamarca
Faltou só ser dito um detalhe: o filme foi todo renderizado em máquinas HP Blade rodando Red Hat Enterprise Linux.
Karin
Pra mim, o enredo é igual ao Pocahontas... É só procurar "avatar pocahontas" no Google que vc encontra uma imagem, divertida até, do enredo "riscado". De fato, tenho falado para o pessoal que conheço: só em 3D. O filme na tela da tv normal não chama atenção alguma.
Cris
Acho que o 3D está mais perto da sala de estar do que você imagina... com a ajuda de um "PC" e uma NVidia. E vou além... não demora muito tá no smartphone também, com preços "acessíveis".
Jorge P. - DF
Eu vou ver essa semana. Vou repetir o que disse uma amiga minha: imaginei o senhor dos anéis com essa tecnologia!
Fabio Massa
Isso me faz pensar alguns anos atrás quando comprei um HD de 80Gb, no dia pensei: "nunca mais preciso de outro HD"...rs... Não há como negar a qualidade dos efeitos especiais, animação e o efeito 3D, eles capricharam tanto e investiram tanto nisso que se esqueceram da história do filme, muito previsível por sinal.
Guilherme Reis
Eu assisti ao filme em 3D também. Achei a fotografia e efeitos especiais fantásticos... sem comparação. Uma pena que o enredo ficou muito igual ao "Último Samurai"... Fora isso, um filme pra ficar na história.