Início » Carros » Um mês com Android Auto no carro: os prós e contras

Um mês com Android Auto no carro: os prós e contras

O que a plataforma automotiva do Google acrescenta ao painel do carro (e onde ela ainda precisa melhorar)

Por
1 ano atrás

Nota do editor: o Galileu é leitor das antigas do Tecnoblog e está utilizando o Android Auto no painel do carro há um mês. Ele escreveu um artigo contando o que há de bom (e o que não é tão bom assim) na plataforma automotiva do Google. (Paulo Higa)

***

Me chamo Galileu Nogueira e tenho 27 anos. Me mudei há 5 anos para São Paulo e comecei a dirigir na cidade há pouco mais de 2 anos. Óbvio que o Waze virou meu parceiro diário para me ajudar, tanto para chegar nos lugares (morava em Aracaju e não conhecia nada daqui), como também para me livrar ao máximo do trânsito da capital paulista.

Sempre fiz tudo isso usando um suporte de celular fixado no vidro do carro e plugado no cabo USB. Apesar de ter uma ótima visibilidade no dia a dia, eu sempre achava muito perigoso. Uma tela de 5,5 polegadas acesa dentro do carro com um suporte numa certa altura do vidro era ideal para chamar atenção de ladrões, além de ser uma forma de distração forte enquanto eu dirigia.

Surgiu então a oportunidade de ter uma central multimídia de 7 polegadas com Android Auto instalada no carro. Fiz a configuração na concessionária e saí pronto para usá-la. Apesar do sistema operacional ainda ser pouco comum nos carros de entrada, os HB20s produzidos no Brasil já possuem o Apple CarPlay, Android Auto e o app CarLink por padrão em suas centrais (compradas à parte ou equipadas em determinadas versões).

Primeiro contato

Antes de começar a usar o Android Auto dei uma chance para o CarLink, um app que espelha a tela do smartphone na central via Wi-Fi. Apesar da ideia ser muito boa, existia um delay grande entre o que era exibido no seu celular e a tela da central, sem falar no fato de que o display do celular não podia ser desligado. Ainda que o brilho ficasse no mínimo, o consumo de bateria era altíssimo.

E esse é o primeiro ponto de diferença para o Android Auto: o celular precisa ser obrigatoriamente conectado a um cabo USB para a central “abrir” o sistema, além de precisar ter o app do Android Auto instalado (nada de conexão via Bluetooth ou Wi-Fi por enquanto). Só a partir daí é que a central começa a funcionar. Diferentemente do CarLink, a tela do celular é espelhada para a tela do sistema e pode ser desligada sem problemas. O aparelho então funciona apenas como um link de internet para rodar as aplicações.

Ao conectar o celular você é levado para um menu “central” com um resumo de tudo o que está rodando em segundo plano, seja uma música, um mapa, uma mensagem recebida no WhatsApp, etc.

Ainda são poucos os apps compatíveis

Para mapas, apenas o Google Maps está disponível. A interface realmente é pensada para um automóvel, com poucos menus, letras grandes e um painel de direção do curva a curva com bastante destaque no mapa. Para tristeza da nação, o Waze ainda não tem uma versão para o sistema. Conversando com o Higa, ele mencionou que essa foi uma pergunta feita por quase todos os presentes na coletiva de imprensa e que o posicionamento do Google é que eles estariam trabalhando nisso. A questão é que essa informação já tem mais de um ano, ou seja, algo estranho está ocorrendo.

Por falar em menus, eles são as únicas coisas clicáveis no sistema. Esqueça teclado para digitar endereço. Tudo é ativado pelo comando de voz por uma questão de segurança do condutor (além de que mexer no celular enquanto dirige é proibido por lei). O que pode ser prático às vezes também pode ser um pesadelo. Experimente falar “navegue até o Blue Tree Premium Hotel” e veja o Google dizer que não entendeu sua solicitação (pelo nome do estabelecimento ser em inglês).

Para música, apenas o Spotify e o Google Música estão disponíveis. Eu só posso falar do primeiro e já digo que ele precisa urgentemente de melhorias. Por você não poder digitar nada e o Android Auto ainda não processar o comando “toque Calvin Harris no Spotify”, você apenas pode ouvir as músicas tocadas recentemente e navegar por bibliotecas, playlists e rádios. Quer ouvir alguma banda específica? Abra o Spotify antes de conectar ao carro, dê o play e depois conecte.

Para mensagens, WhatsApp, Telegram e Hangouts são compatíveis. Quando alguém te envia uma mensagem, o Google lê para você, e é possível respondê-la tocando no microfone e dizendo “responder”. Caso você queira mandar uma mensagem para alguém, basta dizer “envie um Whatsapp para Fulano” e seguir os comandos.

Ter o Google lendo as mensagens para você é uma mão na roda, mas, infelizmente, ele não reproduz os áudios enviados pelo WhatsApp (o que seria ótimo para ouvir aqueles de cinco minutos que seus amigos malas mandam :P).

Segurança

O fato de você não poder digitar nada, com exceção do discador de telefone, complica bastante, porém é realmente um item de segurança. Durante o uso você vai perceber diversas vezes essa frase aparecer no painel após rolar mais de duas vezes a tela. Ainda que eu estacione, essa frase não desaparece e eu não consigo rolar mais nada, o que é super irritante por sinal (deve ser um bug). Imagina você só ter acesso às suas últimas 8 playlists tocadas? Em duas rolagens acaba a navegação. Certamente é um ponto a ser melhorado no sistema.

Além disso, outro ponto curioso é a segurança do seu celular. Durante o uso ele assume o “modo carro” e impede que você o manuseie enquanto o Auto está rodando. Mas eu, brasileiro que sou, descobri que se você abrir os apps que quiser e deixá-los em background antes de plugar no carro, basta apertar o botão de “alternar janelas” do seu celular (não lembro o nome oficial do botão) que eles vão estar lá, prontinhos para uso.

O único botão que não funciona de jeito nenhum é o Home. Se você clicar nele, a logo do Android Auto volta a aparecer e acabou a festa. Portanto, lembrem-se disso.

Atualizações

Pouco (ou nada) se sabe sobre as futuras atualizações das centrais multimídia antigas, mas ao meu ver essas ficarão a cargo das montadoras, uma vez que precisei ir até uma concessionária da marca para habilitar e atualizar a central para receber o Android Auto. Como cada veículo tem uma central multimídia específica, os próprios desenvolvedores devem trabalhar nisso e depois distribuir as atualizações entre os revendedores.

A Hyundai, por exemplo, disponibilizou recentemente no site do programa de relacionamento deles o arquivo de atualização da central para habilitar o Android Auto e as instruções de como fazer você mesmo. Prático e rápido.

Quanto às atualizações do Android Auto, elas serão feitas via app. Uma vez que o app do seu celular foi atualizado, o Android Auto do seu carro também será, já que ele é apenas um “espelho” do smartphone.

Considerações finais

No geral, o Android Auto parece ser uma promessa boa para o futuro da digitalização dos carros (que por sinal demoraram mais do que qualquer outro produto a entenderem o atual cenário de tecnologia e internet das coisas). Apresentando uma interface limpa e super fácil de usar, o sistema é uma mão na roda para quem se preocupa com segurança na condução do veículo e economia de bateria do celular enquanto se usam as aplicações. O Spotify, mesmo com suas falhas, e o Google Maps, já me atenderam muito bem e me fizeram não mais usar o celular preso a um suporte.

Por outro lado, não ter Waze é algo extremamente negativo para a plataforma. Embora o Google afirme que o Maps trabalha em conjunto com a base de dados gerada pelo Waze, essa não é a impressão gerada — as rotas traçadas, por vezes, levam para lugares interditados por obras ou por algum evento específico, coisa que o Waze tira de letra através da colaboração dos usuários em tempo real.

Não poder escolher as músicas no Spotify, possuir poucos comandos de voz disponíveis e, principalmente, não poder se conectar ao carro via Wi-Fi e exigir conexão via cabo, mostram que o sistema ainda precisa de uma boa evolução antes de cair no gosto dos usuários.

Para quem não tem um automóvel compatível Android Auto, é possível utilizar o próprio smartphone como tela ou comprar uma central multimídia, como a vendida pela Pioneer (R$ 2.800). No entanto, eu recomendaria levar tudo isso em conta antes de fazer a compra.

E caso, mesmo assim, ainda opte pela compra, vá no espírito de que muitas águas precisarão passar para o sistema ser super funcional. No começo é preciso paciência e muita esperança no robôzinho verde para que ele caia no gosto dos desenvolvedores. No mais, sigamos em frente! Beep beep!

Galileu Nogueira mora em São Paulo há 5 anos e trabalha com marketing digital em uma empresa de tecnologia. Super entusiasta de novas tecnologias, ama esportes, principalmente CrossFit, e passa horas assistindo séries. Você pode encontrá-lo no Twitter.