A confirmação da venda da Pebble para a Fitbit veio acompanhada de uma notícia triste para os fãs do smartwatch com bateria de longa duração: os produtos foram descontinuados, a garantia foi invalidada e os recursos que dependem da nuvem estão com os dias contados. Mas as empresas trataram de acalmar os usuários por um tempo: os servidores funcionarão, pelo menos, durante todo o ano de 2017.

A promessa foi publicada no blog de desenvolvedores do Pebble: “A Fitbit está fazendo de tudo para manter o software e os serviços do Pebble funcionando durante 2017. Para ser claro, ninguém nesta equipe recém-formada pretende inutilizar os relógios Pebble em funcionamento. O SDK do Pebble, o CloudPebble, as APIs da Timeline, a disponibilidade de firmware, os apps para dispositivos móveis, o portal de desenvolvedores e a Pebble appstore são os elementos do ecossistema do Pebble que continuarão funcionando neste momento”, diz o desenvolvedor Jon Barlow.

Nos próximos meses, a Fitbit planeja lançar uma atualização de firmware que torna os relógios menos dependentes da nuvem, removendo obrigatoriedades de autenticação e estatísticas de utilização. Além disso, o aplicativo para dispositivos móveis será modificado para continuar funcionando mesmo quando os servidores do Pebble forem desligados.

Algumas funções do Pebble não enfrentarão nenhum problema, como o Pebble Health, que não depende da nuvem — suas informações de saúde, como número de passos e frequência cardíaca, já são enviadas diretamente para o aplicativo do Pebble e utilizam as APIs de saúde do Google e da Apple. Mas ainda não está claro o que vai acontecer com os recursos de previsão do tempo e ditado, por exemplo. A equipe vai avaliar “se e por quanto tempo” essas funções continuarão disponíveis.

O grande problema da morte do Pebble é que ele não tinha nenhum concorrente à altura. Por concorrente, entenda: um relógio inteligente (e não uma pulseira fitness), com preço acessível e duração de bateria de vários dias. O público que financiava um Pebble pelo Kickstarter não é o mesmo que compraria uma Mi Band ou qualquer relógio com Android Wear, watchOS ou Tizen. Um dos produtos que mais chegava perto do Pebble é o Fitbit Surge, mas ele é extremamente caro (US$ 249,95).

Ao matar a Pebble, a Fitbit joga no lixo um ecossistema já desenvolvido e um produto que era único no mercado. Resta saber se, com os funcionários (na verdade, metade dos funcionários) e as patentes da Pebble, a Fitbit vai lançar um produto à altura nos próximos meses.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Wencell Alves

Hoje o meu Pebble não conecta mais e nem abre a store para mudar os temas... lamentável 😖😖😖

Maximilian Deister

já era meu Time 2 comprado pelo Kickstarter :(

Zanac_Compile

OFF: Já ficou disponível MARIO RUN pra baixar ? Pra mim, ainda não.

Gilvani

Estava pensando em comprar um, agora já era.

Ramon Floriano

Eu tenho o Pebble original e queria o Pebble 2 com monitor cardíaco. Meu sonho morreu junto com a venda da empresa pra Fitbit. :(

Will

Era meu sonho de consumo :(

Trovalds

Matando as boas ideias. Se não pode com a concorrência, acabe com ela (literalmente).