Início » Gadgets » O problema do lixo eletrônico

O problema do lixo eletrônico

Felipe Ventura Por

O que você fez com seu celular antigo, ou com o laptop que deixou de funcionar? Nossos gadgets têm componentes que podem causar danos ao meio ambiente, por isso é importante descartá-los de forma correta. Infelizmente, não é isso que costuma acontecer.

Um novo relatório da UIT (União Internacional de Telecomunicações), da ONU, mostra que apenas 20% do lixo eletrônico é reciclado adequadamente no mundo. O restante não é documentado, e às vezes acaba descartado com o lixo comum.

Foto por Curtis Palmer/Flickr

Foram gerados 44,7 milhões de toneladas de e-lixo em 2016, incluindo celulares, laptops, impressoras, câmeras, TVs, máquinas de lavar, geladeiras e lâmpadas. Isso contém materiais brutos cujo valor é de aproximadamente US$ 65 bilhões.

No Brasil, foram 1,5 milhão de toneladas no ano passado, ou 7,4 kg por habitante. Temos desde 2010 uma lei que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que ainda não foi implementada. Por exemplo, ela proíbe totalmente os lixões, só que ainda existem mais de 2 mil aterros irregulares no país.

O governo não tem dados oficiais sobre a reciclagem do lixo eletrônico. Na América Latina, apenas sete países cumprem leis nacionais sobre e-waste (Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, México e Peru).

A UIT estima que, em 2021, a humanidade vai gerar 52,2 milhões de toneladas de lixo eletrônico. "Embora 66% da população mundial seja coberta por legislação sobre e-lixo, é preciso fazer mais esforços para aplicá-la, implementá-la, e incentivar mais países a desenvolver políticas de resíduos eletrônicos", diz o relatório.

No Brasil, você pode encontrar pontos de reciclagem usando o buscador da eCycle. Se você mora em São Paulo, pode conferir uma lista de locais que recebem lixo eletrônico aqui e aqui.

Com informações: Ars Technica.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Investidor de Medo
Depende. Celulares geralmente é tela, bateria e componentes que sofrem esforços - conectores e botões. Mas são chatos de mexer.
Victor Freire
Já tem um. É o episódio 41, se não me engano.
CtbaBr©
Mas apesar da miniaturização, ainda ha muito que poderia ser consertado! Se não houvesse tanto imposto para esse tipo de serviço e se houvesse facilitação na importação de componentes, muitos desse equipamentos teriam sido consertados, mas... A industria não quer isso, nosso governo nem liga!
CtbaBr©
Essa é a logica que deveria ser usada em todos os setores tecnológicos, cobrar soluções de reciclagem de quem fabrica, afinal eles foram os responsáveis pelo surgimento desse lixo!
CtbaBr©
Mas o maior aperto é a hipocrisia dos governantes, de umas décadas para cá tudo foi dificultado para quem fazia manutenção, hoje é raro quem ainda trabalhe consertando algo!
Investidor de Medo
Sim, o cobre é o que faz as trilhas de circuitos. Bem lembrado.
Investidor de Medo
Não é a toa que existe estudos de sistemas modulares, mas de alguma forma eles não tem a mesma abrangência que sistemas completos fechados. Outro ponto é que em tempos onde se exige miniaturização e praticidade, sistemas modulares acabam perdendo espaço. Os úlitimos equipamentos desta década provam isso - a dificuldade de manutenção e aquisição de peças estão aí sendo a realidade de muitos que adquirem um celular mais "fechado" ou um laptab.
Russo
A quantidade de equipamento bom que é jogado fora por causa de uma solda fria ou um capacitor estufado, pelamor. Dá um aperto só de pensar.
Weber Chaves
Cabe um Tecnocast, caso não tenha sido feito :)
OverlordBR
E tem aquela turma que "raspa" metais preciosos de eletrônicos também. "Tome-se como exemplo uma placa de circuito impresso (componente de computadores, controles remotos, smartphones etc.). Estima-se que quase um terço de sua composição seja de metais. Destes, o mais comum é o cobre (14%), seguido por ferro (6%), níquel (2%), zinco (2%), estanho (2%), prata (0,3%), ouro (0,04%) e platina (0,02%). "
OverlordBR
Deveria obrigar fabricantes de computador, por exemplo, a minimizar o lixo eletrônico permitindo que mais partes possam ser substituídas em caso de problemas.
Investidor de Medo
Exato! Há componentes que se perdem no lixo, e poderiam estar em um estoque para quem depende deles (sim, ainda há equipamentos antigos rodando que precisam de peça, e não acham pois foi pro lixo!) E o único mal para certas coisas (como retirar metais de compostos como placas-mãe) é a falta de tecnologias para isso. Salvo engano, já tiram ouro das peças. Mas é pouco perante outros materiais.
LessTech
Se eu tivesse dinheiro infinito, comprava a maior parte desse lixo. Muito lixo eletrônico não é tão "lixo" como as pessoas dizem. Mesmo aparelhos não funcionais possuem componentes que são valiosíssimos nas mãos certas.
Investidor de Medo
Aceito doações :V
Investidor de Medo
Ouvi falar que no Japão a política é bem mais agressiva. Antigamente sempre escutava relato (E via provas) de gente que pegava coisa boa que vinha do lixo no japão - rádio ,videogame, computador, etc. Hoje muitos materiais tem ciclo de vida controlado - no momento que é necessário o descarte, o objeto é enviado ou de volta à fabrica, ou para centros de reciclagem.
Exibir mais comentários