Início » Brasil » Yellow diz que vandalismo e furto de bicicletas estão “abaixo do esperado”

Yellow diz que vandalismo e furto de bicicletas estão “abaixo do esperado”

Algumas bikes da Yellow foram depredadas ou furtadas em São Paulo, mas empresa diz que não está preocupada

Por
35 semanas atrás

A Yellow estreou no início de agosto seu serviço de bicicletas compartilhadas no modelo dockless, ou seja, que não precisam ser encaixadas em uma estação. Diversas fotos mostram que algumas dessas bikes foram depredadas ou furtadas em São Paulo, mas isso “não preocupa as operações da empresa”.

Fotos compartilhadas no Facebook mostram bicicletas da Yellow com rodas amassadas; sem banco, guidão ou outras peças; ou jogadas em um rio. Três bikes foram encontradas em um edifício na cracolândia sem cadeado eletrônico. Até teve anúncio na OLX, já removido, vendendo uma unidade por R$ 250.

Além disso, algumas pessoas estão usando cadeado próprio nas bicicletas, ou deixando-as dentro de casa, impedindo outros clientes de usá-las.

Vandalismo e furtos “estão abaixo do previsto”

No entanto, a Yellow afirma em comunicado que casos de vandalismo e furtos são relativamente raros: “o número total dessas ocorrências na cidade de São Paulo estão abaixo do previsto”. A empresa tem 500 bicicletas na capital paulista, e quer chegar a 20 mil até o final do ano.

As bicicletas da Yellow têm GPS para desestimular furtos, e usam componentes personalizados que não servem em outras bikes. “Boa parte das peças é feita sob medida”, explica Luiz Marques, diretor de comunicação e marketing, à Band News. “Nesse começo, vão ter as pessoas que vão arriscar roubar, mas em pouco tempo elas vão perceber que não vale a pena.”

A empresa diz que três pessoas foram indiciadas por furto, roubo ou vandalismo de suas bicicletas. Ela mantém bom relacionamento com as polícias Civil e Militar e com a Guarda Civil Metropolitana (GCM).

Além disso, os “Guardiões Yellow” circulam pela cidade para distribuir e posicionar as bicicletas. Eles também verificam se ocorreu vandalismo, ou se é necessário fazer manutenção preventiva.

Bicicleta Yellow

Como alugar bicicletas da Yellow

O aluguel da Yellow funciona assim: você instala o aplicativo para iOS ou Android, e o usa para localizar a bicicleta mais próxima (através de GPS).

Então, você escaneia o QR Code na traseira da bike para destravar o cadeado eletrônico; ele deverá ser bloqueado manualmente ao chegar no destino. O custo é de R$ 1 para cada 15 minutos.

Não é só no Brasil

Vale lembrar que os casos de vandalismo não são exclusividade do Brasil. A conta @DocklessBike do Twitter reúne diversos casos, principalmente nos EUA. Na França, a startup Gobee desistiu de atuar após uma “destruição em massa” de suas bicicletas. E na China, a Wukong Bikes fechou após perder 90% de sua frota em cinco meses (que não era equipada com GPS).

Eduardo Musa, CEO da Yellow, diz à Época Negócios: “nós estudamos o que deu errado lá fora. Aqui, o jogo é outro. Estamos trabalhando com o poder público para que dê certo”. Ele foi presidente da Caloi entre 1999 e 2016.

O comunicado da Yellow segue abaixo na íntegra:

Por mais que as imagens das bikes Yellow envolvidas em casos de vandalismo e furtos sejam chocantes, a marca, pioneira no ramo de soluções de mobilidade urbana individual no Brasil, afirma que o número total dessas ocorrências na cidade de São Paulo estão abaixo do previsto e não preocupam as operações da empresa.

Ainda ressalta que, para evitar casos como estes, as suas bicicletas foram desenvolvidas com peças exclusivas, que não se adaptam a outros modelos. Além disso, todas as bicicletas Yellow são rastreadas por sistema GPS – o que já evitou episódios indesejados e ainda levou à recuperação de bicicletas e à apreensão de pessoas envolvidas nesses casos.

O diálogo da Yellow com as autoridades competentes é muito próximo, assim como o trabalho com os ‘Guardiões Yellow’, que circulam todos os dias da semana pela cidade contribuindo para a melhor distribuição e posicionamento das bicicletas, além de apoiar usuários e garantir as boas práticas.

Foto via Allan Viana

Foto por Aline De Nadai