Início » Comportamento » Como saber se uma oferta de Black Friday realmente vale a pena

Como saber se uma oferta de Black Friday realmente vale a pena

Fuja de armadilhas na Black Friday 2018 e compre apenas o que precisar, ou saiba como resistir

Vivi Werneck Por
28/11/2019 às 21h10

A Black Friday, um dos períodos mais esperados do ano para várias pessoas, se tornou sinônimo de comprar mais barato. O impulso de consumir, muitas vezes por “pressão visual” de tantos anúncios, pode causar alguns arrependimentos depois, ou por ter adquirido um produto próximo de sair de linha ou, simplesmente, por não precisar daquilo.

Tratamos a Black Friday como um período do ano e não só uma data já que, praticamente, todo o mês de novembro é voltado para “plantar”, na mente do consumidor, a semente do “você não pode perder essa super oferta”.

black-friday-buy-computer / pexels

Tenha cuidado para não se deixar levar pela comoção consumista coletiva e, quem sabe, levar para casa algo que não te fará a menor falta. Dito isso, é preciso fazer algumas perguntas básicas, antes de comprar, para não cair em armadilhas.

1. Você realmente precisa comprar este produto?

“Só aqui você encontra o melhor preço em assistentes pessoais para ter controle total da sua casa! Vai perder essa?”

Na verdade, se você, por exemplo, mora num local em que mal consegue usar uma rede Wi-Fi com estabilidade (realidade da grande parte do Brasil), este produto revolucionário, descrito acima, talvez te sirva apenas como um lindo peso de papel.

Pode parecer desnecessário dizer isso, afinal todos já deveriam saber, mas não compre algo que você nunca vai usar ou usará muito pouco (só para fazer valer o dinheiro). Aprender a resistir ao desejo de ter algo, só porque está mais barato, te poupará da “ressaca moral” após receber o produto.

Desejo é diferente de necessidade! Aí vai do bom senso mesmo: “eu preciso ter esse produto ou eu só desejo tê-lo?” Se a resposta for a segunda opção, talvez seja melhor fechar logo o anúncio, antes que seja tarde.

2. Este é um modelo atual ou está prestes a sair de linha?

Não que você deva evitar completamente comprar um modelo antigo de algum item. Por exemplo, um smartphone Samsung Galaxy S9 pode atender muito bem sua necessidade de uso e, talvez, não seja necessário comprar o Galaxy S10+, modelo mais atual.

Em casos assim, A Black Friday pode ser uma oportunidade interessante de trocar um aparelho que já tenha por outro mais atual, e que não necessariamente seja o top de linha. Mas como tudo nessa época, é bom ter atenção para não cair em “pegadinhas”.

Às vezes, até mesmo para tentar escoar produtos que estavam encalhados, alguma lojas podem tentar “empurrar” para o consumidor aparelhos bem mais antigos, por exemplo, como se fossem novos. Geralmente, eles são colocados juntos com itens que realmente são novidade.

O perigo, nesse caso, está em não conhecer bem as especificações técnicas do que pretende comprar. Assim, um modelo já ultrapassado pode se passar “por novo” e acabar na sua casa - por estar bem mais barato que os demais, que estavam juntos num mesmo resultado de busca no site de loja. 

Você pode ter dificuldades futuras para conseguir assistência técnica em produtos próximos a ficarem obsoletos, por exemplo.

cartão na mão / pexels

3. Você já pesquisou por este produto em outras lojas e comparou preços?

Por mais que um anúncio grite “últimas peças” ou “corra que está acabando”, evite comprar no desespero, por mais que você precise daquele produto. Ajuda bastante se já tiver feito uma pesquisa prévia de preços e, principalmente, comparado em outras lojas.

Preços iguais, ou muito similares, entre duas ou três lojas pode indicar que elas fazem parte de um mesmo conglomerado empresarial, por exemplo. Aí é mais escolher onde você se sente mais confortável em comprar.

Pesquisar com antecedência o item que você quer, te ajuda a não cair em ofertas que, na verdade, são as infames “tudo pela metade do dobro”.

4. Este item já teve um preço mais barato que o atual?

Dando continuidade ao tópico anterior, é importante saber o histórico de preços de um produto, sempre que possível. Nos primeiros anos de Black Friday no Brasil, a maioria das reclamações eram em torno de aumento de preços semanas antes do fatídico dia. Depois, o item ganhava um “desconto”, que na verdade era o preço real antigo.

Este é o tal “metade do dobro”. Saber se um produto já teve alguma ação promocional anterior pode te ajudar a avaliar se o preço na Black Friday realmente é um bom negócio ou se está bem aquém do já foi.

Uma boa forma de monitorar ofertas e ver o histórico de preços de produtos é usando o Assistente de Compras do Tecnoblog

adolescent-bag-beautiful / pexels

5. Pagar à vista ou parcelado? Há diferença no preço final?

A forma de pagamento que irá usar depende apenas da sua preferência. Pagar à vista, em algumas lojas, pode garantir algum desconto a mais no preço final. Caso prefira parcelar, fique atento ao número de parcelas disponíveis e, principalmente, se há a incidência de juros.

6. O frete a ser pago compensa?

Para chamar mais atenção do consumidor, algumas lojas podem oferecer frete grátis para alguns itens. Nesse caso, verifique o preço desse mesmo produto em outro lugar (com frete pago) e veja se há alteração no que é cobrado.

Cuidado: frete grátis, às vezes, pode significar frete já embutido no preço final.

Também é interessante avaliar se a cobrança para a entrega não será mais cara que o próprio item a ser comprado. É mais raro isso acontecer, mas é possível. Para compensar o desconto em um item, a loja pode tentar “balancear” esse custo em outros lugares, sendo o frete um deles.

Guias de compras [Tira-Dúvidas]

Com essas dicas em mente, boas compras!

 

Mais sobre: