Início » Internet » Obama também no Flickr

Obama também no Flickr

Avatar Por
10 anos e meio atrás

A campanha de Barack Obama foi arrebatadora no uso de mídias sociais, ferramentas da dita web 2.0 e do boca-a-boca digital. Há quem diga que Obama só se elegeu devido à internet, mas não é disso que vamos tratar hoje. O assunto principal é que a Casa Branca decidiu finalmente usar o Flickr como repositório das fotos oficiais.

flickr-casa-branca

Já existem mais de 18 páginas de fotos em http://www.flickr.com/photos/whitehouse/, o que resulta em aproximadamente 375 fotos no total. É bastante coisa, e o melhor é que tudo está disponível gratuitamente para quem quiser usar. A proteção dos direitos autorais não é exatamente bem sucedida na internet, mas qualquer esforço pelo fim desses direitos – quando desnecessários – é muito válido.

Foi preciso que o Flickr desenvolvesse uma espécie de licença específica para governos, algo inédito até então. Meros mortais continuarão tendo suas obras licenciadas através de Creative Commons (ou não, caso não queira), e ainda não se sabe se o site vai estender a funcionalidade a outros governos.

O mais bacana dessa história é que não há privação de recursos. Acessando uma foto, é possível saber quantas pessoas já a visualizaram. Também dá para ler os comentários e comentar, além de checar as informações sobre a câmera utilizada. Por sinal, a maioria das fotos será feita por Pete Souza, fotógrafo oficial da Casa Branca.

Mais uma iniciativa interessante de Obama rumo ao “governo 2.0”.

Embora ainda não tenhamos o Flickr oficial da Presidência da República, os brasileiros já contam com uma excelente fonte de fotos referentes à atuação do governo federal. Todo o conteúdo disponível no site da Agência Brasil pode ser reproduzido, editado e retransmitido, desde que os créditos sejam mantidos.

O Congresso também contribui para a disseminação de fotos e informações. Tanto o banco de imagens da Agência Câmara quanto da Agência Senado estão disponíveis para qualquer um, desde que autor e fonte sejam citados. Não é tão ruim assim, é?

Com informações da Wired