Início » Legislação » Fundadores do Instagram opinam sobre proposta de dividir o Facebook

Fundadores do Instagram opinam sobre proposta de dividir o Facebook

Para Kevin Systrom e Mike Krieger, autoridades precisam ser específicas ao discutir a divisão de empresas de tecnologia

Por
12/03/2019 às 18h08

As falas de Mark Zuckerberg sobre a integração de Messenger, Instagram e WhatsApp e da senadora americana Elizabeth Warren sobre desmembrar empresas de tecnologia têm sido muito discutidas. Entre os que trataram do assunto, estão os fundadores do Instagram, Kevin Systrom e Mike Krieger, que estiveram na SXSW 2019 na segunda-feira (11).

Os dois venderam a rede social para o Facebook em 2012 e permaneceram na empresa até setembro de 2018. Um dos motivos para a saída teria sido o envolvimento cada vez maior de Zuckerberg nos planos do Instagram.

Fundadores do Instagram opinam sobre proposta de dividir o Facebook

Mike Krieger (à esquerda) e Kevin Systrom

Quando perguntados, eles evitaram fazer críticas sobre o direcionamento dado à plataforma e disseram que a perda de autonomia foi algo natural com o seu crescimento. Para Systrom, a venda foi o que fez a rede social se tornar ainda maior.

Ele não se mostrou muito confiante em relação à proposta de dividir empresas como Facebook, Google, Apple e Amazon para impedir monopólios. Em sua opinião, a medida precisa ser tratada como uma “receita muito específica para um problema muito específico”.

“Se você quer resolver problemas econômicos, há formas de fazer isso. Se quer resolver a interferência russa, há formas de fazer isso”, disse Systrom. “Dividir uma empresa não corrige esses problemas. Isso não significa que as empresas não devam ser desmembradas se ficarem muitos grandes e forem monopólios e causarem problemas, mas ser grande por si só não é um crime”.

Systrom teme que a proposta esteja jogando com o que ele chama de sentimento de “anti-tecnologia”, que estaria presente em muitas pessoas. Para ele, os políticos deveriam “abordar problemas reais com soluções reais”.

Krieger tem uma opinião parecida e afirma que as autoridades precisam definir quais pontos desejam solucionar. “Acho que elas [discussões sobre a proposta] serão melhores e levarão a uma política melhor se formos realmente específicos sobre os problemas que estamos tentando resolver”, afirmou.

A divisão de grandes companhias de tecnologia é uma das propostas de Elizabeth Warren, uma das possíveis candidatas do Partido Democrata à presidência dos Estados Unidos nas eleições de 2020. O projeto, no entanto, vai de encontro com planos de Zuckerberg, que pretende integrar ainda mais as suas empresas.

Com informações: TechCrunch, The Verge.

Mais sobre: ,