Início » Brasil » Governo prepara “Tinder do emprego” para conectar empresas a trabalhadores

Governo prepara “Tinder do emprego” para conectar empresas a trabalhadores

Ministério da Economia quer modernizar Sine (Sistema Nacional de Emprego) para facilitar match entre vagas e trabalhadores

Felipe Ventura Por

O Ministério da Economia está preparando uma forma de reduzir o desemprego através da modernização do Sine (Sistema Nacional de Emprego), com a ideia de facilitar o match entre vagas e trabalhadores. O projeto se chama Open Sine e é apelidado internamente de “Tinder do emprego”; ele deve ser implementado ainda este ano.

Gabriel Jabur/ME

Um pacote de medidas elaborado pelo Ministério da Economia deve ser anunciado já na semana que vem, e a reformulação do Sine pode ser uma das primeiras a entrar em operação. Segundo a Folha, a base de dados começará com 15 milhões de trabalhadores cadastrados em todo o país, com potencial de ampliação para 50 milhões.

O Sine foi criado em 1975 e tem duas funções principais: fornecer acesso ao seguro-desemprego, e fazer a intermediação entre empresas e funcionários. Sua base de dados inclui milhões de pessoas que solicitaram o seguro-desemprego, pois o cadastro é obrigatório. No entanto, o órgão tem dificuldades em encontrar vagas para trabalhadores, com taxas de efetividade inferiores a 0,5% em alguns estados.

“As informações captadas do trabalhador são de péssima qualidade”, diz o economista Carlos Alexandre da Costa em entrevista ao Correio Braziliense. “Não tem um padrão, não se pergunta o que tem que ser perguntado. As empresas acham que não vale a pena colocar as vagas lá, porque a chance de encontrar o trabalhador é muito baixa.”

Costa é ex-diretor do BNDES e atual secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia. A secretaria herdou parte das funções do antigo Ministério do Trabalho, extinto em janeiro pelo presidente Jair Bolsonaro.

Tânia Rêgo/Agência Brasil

Carlos Alexandre da Costa, secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia

Open Sine é “emergencial”, diz secretário

Aí entra o projeto Open Sine. O governo não tentaria fazer o match entre empresas e desempregados: isso ficaria a cargo de empresas de recrutamento que teriam acesso aos dados do Sine. Elas fariam o pareamento com base na formação e experiência profissional das pessoas. O nome dos desempregados, no entanto, não seria revelado.

“Nossa ideia é abrir a plataforma para todas as HRtechs (startups de Recursos Humanos), que já trabalham nessa área, para que elas se conectem, ofereçam vagas e tenham acesso a essas informações”, explica Costa ao Correio Braziliense.

“Essas empresas não fizeram isso até hoje porque não tinham acesso aos dados e porque não viam oportunidade, com o governo querendo fazer tudo, querendo captar a vaga, ir na empresa”, diz Costa em entrevista à Folha. “Temos que facilitar em vez de atrapalhar.”

Para Costa, o novo Sine é “emergencial”. A taxa de desemprego no Brasil chegou a 12,4% no trimestre encerrado em fevereiro; são 13,1 milhões de pessoas, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O governo prepara outras medidas para melhorar o cenário econômico, incluindo reformular o e-Social para reduzir a burocracia; criar um Registro Único de Regularidade Fiscal; distribuir vouchers (vales) para que trabalhadores invistam em uma qualificação solicitada pela empresa; entre outros. Elas devem ser apresentadas em detalhes na semana que vem.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Fabio Santos

Algo realmente precisa mudar, pois vejo sempre quando passo no RH jovens sofrendo atrás de vagas, do transporte caríssimo aonde procurar pessoalmente se faz uma tormenta, outro dia almoçando com a gerente de RH, citou que ficou com dó de um rapaz concorrendo vaga de aux de almoxarifado, aonde este andou quase 12km e sem comer para tentar um tiro no escuro.
Com um sistema digital eficaz estes não perdem mais tempo e podem ter mais oportunidade, eu já acho um absurdo empresas como Catho cobrarem caro para nem sequer dar um bom serviço tanto pra quem procura como para quem precisa do empregado, por exemplo.
Que seja feito algo bom.

Marcos Vinícius

LEIA A PORRA DA MATÉRIA CARALHO!

Marcelo Silva

Não adianta explicar Guilherme, as pessoas idolatram o bolsonaro e qualquer coisa que ele fazer, mesmo que seja ruim, as pessoas o adorarão. Votei nesse bozo por falta de opção, mas estamos lascados nas mãos dele, aposentar só na beira da morte.

🧙‍♂️ Mago Erudito® ᴾᴿᴱᴹᴵᵁᴹ

Nada que eu disser fará sentido para você, então vamos poupar tempo.

🧙‍♂️ Mago Erudito® ᴾᴿᴱᴹᴵᵁᴹ

Ok

🧙‍♂️ Mago Erudito® ᴾᴿᴱᴹᴵᵁᴹ

Tá.

SR 71 Pássaro Preto

À 6 anos atrás não tinha nada contra o SINE, até pq consegui arrumar 2 empregos em torno de 1 ano e nas duas oportunidades que eu tive não passou mais do quê um mês pra me chamarem. Hoje em dia eu já não sei se esse sistema ainda continua eficiente, mas espero que essa reformulação fique melhor para nós.

­­­­­­­­­­­­­­­

Horário de verão só contribuiu pra ferrar com a vida de quem te sair cedo para trabalhar, quando ainda é de noite, isso fora a insegurança.

E mais, a economia de energia com o horário de verão, era tão baixa, que era insustentável continuar mantendo esse horário ruim.

­­­­­­­­­­­­­­­

"O Ministério da Economia está preparando uma forma de reduzir o desemprego através da modernização do Sine (Sistema Nacional de Emprego)"

Ler a matéria (e prestar atenção nela) que é bom nada.

­­­­­­­­­­­­­­­

Vai procurar saber como é a previdência lá em Cuba, "economista".

DanielBastos

É uma reformulação. Tá escrito.
A ideia é melhorar algo existente.

🧙‍♂️ Mago Erudito® ᴾᴿᴱᴹᴵᵁᴹ

Economizou luz quando o país passava por uma das suas maiores crises hídricas e energéticas, mas você deve ser muito novo para se lembrar disso. #pas

🧙‍♂️ Mago Erudito® ᴾᴿᴱᴹᴵᵁᴹ

Não posso comparar bairros na mesma cidade, mas criar uma média nacional e jogar todo mundo no mesmo balaio pode?

🧙‍♂️ Mago Erudito® ᴾᴿᴱᴹᴵᵁᴹ

Procure no google, tem pesquisas bem interessantes nessa área, mas se quiser ir para a vida real é mais fácil ainda.

Um exemplo é SP, onde moradores do Morumbi tem expectativa de vida que ultrapassa fácil os 80 anos enquanto que em Paraisópolis dificilmente chega a 65 anos.

Na minha pesquisa de 1 mim apareceu isso:

Vida na periferia de São Paulo é em média até 23 anos mais curta
https://www.dw.com/pt-br/vi...

Morador do Alto de Pinheiros vive 25 anos mais que o de Cidade Tiradentes
https://sao-paulo.estadao.c...

O abismo dentro de São Paulo que separa Kimberly e Mariana
https://brasil.elpais.com/b...

Aliás, sempre bom discutir com o senhor. :)

Palhaço dançarino B/W

Como se atrapalhasse em alguma coisa

Exibir mais comentários