Início » Internet » Disney+ agora funciona no Ubuntu e em outras distribuições Linux

Disney+ agora funciona no Ubuntu e em outras distribuições Linux

Disney+ exigia nível de DRM muito alto e dava "erro 83" em computadores com Linux; Netflix também teve limitação semelhante

Felipe Ventura Por

O Disney+ resolveu uma limitação que afetava o serviço de streaming há meses: agora, ele funciona nos navegadores web rodando em distribuições Linux. Antes, ele exigia um nível de DRM muito alto e dava o “erro 83” em alguns computadores e até mesmo em certos celulares Android. A Netflix também já teve uma limitação semelhante.

Disney+ no Linux

Imagem por @DorianDotSlash

“Usuários do Linux no desktop agora podem curtir o #BabyYoda assim como todo mundo”, escreve Justin Garrison, engenheiro do Disney+, no Twitter. O Bleeping Computer confirmou que o serviço de streaming está funcionando corretamente no Ubuntu 18.04, rodando filmes e séries como O Mandaloriano (The Mandalorian); e há relatos bem-sucedidos no Arch e Fedora.

O problema estava no sistema de DRM chamado Widevine, que possui três níveis de segurança: L1, L2 e L3. Distribuições Linux para desktop e até mesmo alguns dispositivos Android são compatíveis apenas com Widevine L3 (criptografia por software). Enquanto isso, o Disney+ exigia o Widevine L1.

Daqui em diante, o Disney+ requer apenas o Widevine L3. Ou seja, o DRM ainda precisa estar ativado no navegador, seja no Firefox ou Google Chrome — você pode ajustar isso nas configurações.

Disney+ não funcionava no Linux há meses

O problema foi descoberto em setembro, quando o Disney+ realizou um teste gratuito na Holanda. O desenvolvedor Hans de Goede tentou usar o serviço abrindo o Firefox no Fedora e recebeu a mensagem “Error Code 83”; o mesmo ocorreu no Chrome.

Então, ele enviou um e-mail para a Disney explicando a situação, e a empresa prometeu que o departamento de TI estava “trabalhando duro para resolver isso”. No entanto, ela só liberou acesso para as distribuições Linux em dezembro.

Vale lembrar que a Netflix restringia seu funcionamento em distribuições Linux até 2014. O serviço só foi liberado depois que o Chrome adotou um módulo de DRM para vídeos em HTML5 usando a especificação EME (Encrypted Media Extensions). Desde então, outros navegadores — como o Firefox — fizeram o mesmo.

O Disney+ está disponível nos EUA, Canadá e Holanda, com lançamento previsto para novembro de 2020 no Brasil.

Com informações: OMG Ubuntu.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Vincius Francioni

Acredito que o que muito usuário de Linux não entende é que os usuários "normais" não querem usar o sistema operacional, mas querem sim acessar seus emails, fazer projetos de engenharia, editar suas fotos / vídeos... As pessoas não querem um software, querem a solucionar o seus problemas, e se existe um windows da vida onde você não precisa aprender a montar a sua ferramenta mas simplesmente sair utilizando, sempre será a preferência.

Giovani Sousa

Kurumin foi meu primeiro Linux, me lembro até hoje como fiquei maravilhado depois dele instalado e funcionando, das que você citou só usei Ubuntu (era a época que eles enviavam CDs grátis, dei copias para vários amigos, mas apenas uma pequena parte instalou ..), por uns anos, passei por Fedora, Debian, Manjaro, e por fim estacionei no Arch, que é uma distro incrível, a possibilidade de você começar do zero e ir montando como quiser, aliado a poderosa wiki dele, não tem comparação para quem quer ter controle total do SO, melhor do que isso só Gentoo, mas não sou radical a esse ponto :p

Gustavo Al-Kurdi

Usei Ubuntu (e suas variantes), Fedora, Debian, Mint, PCLinuxOS, openSUSE, e outras nacionais cujos nomes não me recordo. Mas concordo que muitas coisas mudaram de antigamente pra cá. De qualquer forma, me adaptei melhor à praticidade do Windows, então tudo talvez se resumo a isso mesmo: adaptação...

José Vieira

I use Ubuntu, deepin, mint... Sou desses. A propósito, já usei Slackware e fui catequista do saudoso Kurumin (como era lindo o KDE do Morimoto).

Trovalds

A MS se rendeu ao Linux no ambiente corporativo (servidores, nuvem). E de mais a mais 99% das distros são "mais do mesmo": assistente de instalação que mastiga tudo pro usuário (igual no Windows), interface gráfica (pra facilitar a migração do Windows), bloatware aos montes e por aí vai. Daí no primeiro percalço com Linux o cara vai na comunidade, acha um monte de soluções, nenhuma delas resolve o problema e o que faz: volta pro Windows. O Windows por mais "evil" que alguns queiram que ele seja, ele vem pronto, fim. A não ser que você tenha algum hardware extraordinário (0,01% dos casos se muito) o Windows VAI funcionar na sua máquina. Agora no Linux com frequência você tem problemas pra fazer Wi-Fi funcionar, impressora, vários monitores (2 monitores até vai de primeira, RAID... enfim, o Linux TENTA ter algo pronto pro usuário (quase) leigo. Mas ainda tem MUITO arroz com feijão pra comer antes de ser algo que de fato ofereça um ambiente à altura no desktop pro usuário como o Windows oferece. O Linux é sobre ESCOLHA. Se você escolhe o caminho fácil na verdade alguém escolheu por você. E escolher por você o Windows faz tempo que faz isso.

VaGNaroK Alkimist

Acho que você não leu a parte "(e tiver coragem para aprender)", Para se usar algo necessita de uma aprendizagem, acha que fui para o linux sabendo o que era um shell? Um kernel? Servidor de exibição X? Do mesmo jeito que ninguém nasce aprendendo andar de bicicleta (pois precisa de um empurrão para poder andar sozinho), é a mesma coisa usar outro sistema, o usuário vai sem saber de nada e é óbvio que vai ter dificuldades, agora se ele vai superar essas dificuldades e vai querer aprender mesmo vai de cada usuário, ou pode voltar para a zona de comodidade do sistema que sabe... como eu disse e repito vai da "(e tiver coragem para aprender)".

Luizx

Rapaz é so vc ve em toda publicaçao sobre linux a quantidade de gnt que fala que nao consegue usar e que tentou e nao conseguiu ... Se vc acha que é um argumento sem fundamento beleza

zephyr1an

isso é bobagem...pessoal tá no século 20 ainda, acha que Linux é hobby de micreiro, enquanto até a Microsoft já se rendeu à realidade: Linux é business, e é big business, tanto assim que até o SQL Server ela já portou pra Linux

brunocabral

Falso! Distro obscura (Satux da vida) é distro obscura e ponto final. Se usar (K)Ubuntu LTS ou Mint, difícilmente terá problema, contanto que não faça a migração às pressas (cada pessoa tem o seu tempo pra se acostumar a novos S.Os).

Trovalds

Filosofia acerca do Linux pra mim é essa. O resto é tudo tentando imitar o Windows e falhando miseravelmente. https://uploads.disquscdn.c...

VaGNaroK Alkimist

"Ainda não é atrativo", argumento sem fundamento... pois "gosto não se discute", se o cara quer aprender a usar algo novo (e tiver coragem para aprender) ele fica em qualquer sistema, fato! Não uso windows no meu pc pessoal a mais de 10 anos (só uso no trabalho), e não sinto nenhuma falta. Se uso no trabalho o que me impediria de usar em casa? Como eu disse, "gosto não se discute".

Giovani Sousa

I use Arch btw

G_dd

Usuário geral é que é recomendado. É instalar e usar, sem segredos. Quer acessar o Facebook? Só acessar. Quem usar um editor de textos? É só abrir o problema e deu. Há mais de uma década as distribuições mais populares são fáceis de usar. O problema são usuários específicos, que precisam de programas monoplataforma.

G_dd

Nos anos 90 acontecia isso.

zephyr1an

que filosofia ? :)

coloca um Ubuntu puro ou um Mint, praticamente qualquer motherboard que não seja bleeding edge funciona tudo ou quase, automaticamente

agora, quer um notebook com Linux ? aí o melhor é comprar pré-instalado, sei que Dell vende, mas nunca fui atrás, só uso desktop

Exibir mais comentários