Início » Aplicativos e Software » Com Spotify na frente, streaming de música cresceu 32% em 2019

Com Spotify na frente, streaming de música cresceu 32% em 2019

2019 terminou com 358 milhões de assinantes de streaming de áudio no mundo todo

Emerson Alecrim Por

2019 foi um ano em que o segmento de streaming de vídeo ficou sacudido com a chegada de players como Disney+ e Apple TV+. Mas a movimentação também foi boa no mercado da música: um levantamento da Counterpoint Research aponta que o streaming de áudio fechou 2019 com 358 milhões de assinantes globais, aumento de 32% na comparação com 2018.

spotify tecnoblog

O detalhe que mais chama atenção é que esse crescimento foi sustentado, em grande parte, pela disponibilização de conteúdo exclusivo. Nessa categoria estão programas criados ou promovidos pelas próprias plataformas de streaming e, claro, podcasts — em tempo, fica o convite para você acompanhar o Tecnocast, caso ainda não o conheça.

Não é por mero capricho que serviços de streaming, com destaque para o Spotify, têm apostado alto em podcasts. As empresas do segmento sabem que conteúdo original é uma maneira bastante efetiva de diferenciação em um mercado tão disputado.

Falando em Spotify, o serviço continua liderando o setor. A pesquisa aponta que, considerando apenas assinaturas pagas, o Spotify terminou 2019 com 35% do mercado. Apple Music e Amazon Music aparecem na sequência com 19% e 15% de participação, respectivamente.

A Counterpoint Research explica que o ótimo desempenho do Spotify se deve a várias estratégias, como as promoções que oferecem até três meses de assinatura Premium grátis e ações de redução de preços.

Mercado de streaming em 2019 (gráfico por Counterpoint)

Mercado de streaming em 2019 (gráfico por Counterpoint)

Isso não significa que os rivais do Spotify ficaram de braços cruzados. A Apple, por exemplo, conseguiu fazer o Apple Music crescer 36% em relação a 2018. Essa performance é efeito, entre outros fatores, da forte investida da companhia em serviços e nas melhorias de seu aplicativo de música.

Embora se destaque menos que os mencionados rivais, o Amazon Music também manteve um bom ritmo de crescimento: se em 2019 o serviço respondeu por 15% do mercado, em 2018, essa proporção se limitou a 10%.

Não dá para prever se esses players registrarão números tão expressivos quanto em 2020, afinal, temos uma grave pandemia em curso. É possível, porém, que a base de assinantes continue crescendo — a Counterpoint fala em algo em torno de 25%: o coronavírus tem feito as pessoas consumirem mais conteúdo e, nesse contexto, plataformas de streaming de áudio cumprem um papel importante.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
15 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Matheus Motta (@Matheus_Motta)

Os melhores são sempre os menos usados

. (@Mr.Robot)

Deezer por exemplo. O áudio notavelmente superior, mas não acompanhou a evolução do Spotify. Anos e mais anos de aplicativo e os bugs continuam exatamente os mesmos.

Tiago Jeronimo (@TiagoJL)

Eu achava que o Deezer estava em segundo, ledo engano.

@Rogerio.Neves

Deezer merecia mais. Estou usando o Tidal agora e gostando. Dos cinco que experimentei (Spotify, Deezer, YouTube Music, Amazon Music Unlimited e Tidal), o serviço da Amazon é o pior. Não recomendo pra ninguém. Melhor ficar com a versão capada disponível pra quem assina o Prime e pagar outro serviço de streaming.

Matheus Motta (@Matheus_Motta)

Hoje em dia eu não tenho mais nenhum problema com o Deezer

Júlio Tenório (@JulioTenorio)

Faz tempo que usei o Deezer, mas não lembro de ter diferença alguma para Spotify, e ambos trabalham, com 320kbit/s apenas o formato difere MP3 Deezer e OGG Spotify, mesmo Tidal no Hi-Fi a diferença para o Spotify é pequena, pelo menos no meu sistema escutando música como escuto na maioria do tempo, diferenças notáveis era só em uma audição mais concentrada.

Fico com Spotify principalmente por o app no PC e consigo controlar pelo celular ou aperto Win+G e escolho algo por lá, ótimo enquanto estou jogando. Fora as playlist que para mim só quem chega perto é o Youtube/GMusic.

Diego Nascimento (@Dieg0)

Vida longa ao Spotify!

Rafael Moreira (@Rafael_Moreira)

Apesar de nem ser citado, utilizo o Tidal e considero a qualidade de áudio muito boa. Já faz um bom tempo que troquei o Spotify por ele.

Rafael Moreira (@Rafael_Moreira)

Pode colocar ai na lista o Tidal Hi-Fi.

Rafael Moreira (@Rafael_Moreira)

Também não curti o Amazon Music. Da assinatura o único que vale é o Prime Vídeo, apesar de ter muito filme antigo.

Mickey Sigrist (@Mickey)

Idem. Hoje em dia o app funciona muuuuuito melhor do que há anos atrás. Recentemente introduziram uma das poucas melhorias que eu sentia falta, que é a de fazer uma playlist em modo aleatório começar por uma música diferente toda vez que você da play. Não tenho mais do que reclamar.

Jonata Silva (@Jonata_Silva)

Spotify sempre dominando. Pra mim a única coisa que falta nele é a opção de baixar uma música individualmente (sem ter que criar uma playlist e adicionar a música pra depois baixar) e ter a letra das músicas do jeito que tem no Apple Music.

Vinicius (@vinimaz)

Eu não sei como os números da Amazon são calculados, mas eu por exemplo tenho Amazon Prime e não utilizo. Eu uso o Amazon Vídeo e todos os outros “perks “ do prime nas compras, mas pra streaming de áudio eu uso o Spotify. Será que eu entro na conta do Amazon Music?

Mateus B. Cassiano (@mbc07)

Até onde sei, o acervo de músicas incluso na assinatura do Amazon Prime não é a mesma coisa do Amazon Music, é bem mais básico. O Amazon Music, em si, só assinando à parte…

Vinicius (@vinimaz)

Sério? Pelo que eu saiba não, eu tenho até o cartão de Crédito da Amazon ganhando pontos (acho que a cada 1€ ganho 0,03€) é meio que tudo incluso. Mas depois vou dar uma olhada.

Exibir mais comentários