Início » Telecomunicações » Nokia promete migrar torres de 4G para 5G com novo software

Nokia promete migrar torres de 4G para 5G com novo software

Com atualização de software, até 5 milhões de rádios 4G da Nokia poderão funcionar com 5G

Lucas Braga Por

A divisão de infraestrutura da Nokia anunciou nesta terça-feira (14) uma atualização de software que leva o 5G NR (New Radio) para até 5 milhões de transmissores de rádio que hoje operam com tecnologia 4G. A novidade é muito bem-vinda para operadoras de telefonia móvel, que não precisarão trocar equipamentos para suportar o 5G.

A princípio, o update já está disponível para cerca de 1 milhão de rádios da Nokia, podendo chegar a 3,1 milhões até o final do ano e 5 milhões de antenas até 2021. A empresa diz que a atualização irá melhorar o aproveitamento do espectro já utilizado com as redes antigas. A plataforma da empresa também suporta a tecnologia DSS, que compartilha as frequências com 2G, 3G e 4G de acordo com a demanda instantânea.

Com a migração via software, a Nokia afirma que as teles irão economizar dezenas de bilhões de euros em gastos com engenharia e visitas às torres. A companhia atende 359 operadoras com rádios 4G atualizáveis para 5G.

Atualizações de software são comuns na troca de tecnologia

Ainda que seja um feito incrível, a Nokia não é a única fornecedora que entrega novidades com atualizações de software. Esse tipo de benfeitoria também acontece em equipamentos da Huawei e Ericsson, por exemplo. As operadoras continuam tendo que pagar por licenças de uso das novas tecnologias, no entanto.

Por sinal, o 5G que a Claro lançou em bairros de São Paulo e Rio de Janeiro utiliza a infraestrutura existente de equipamentos da Ericsson. A rede opera com a tecnologia de compartilhamento dinâmico de espectro e alcança velocidades na casa dos 400 megabits por segundo.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
7 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

O compartilhamento dinâmico não depende do celular também ou só da torre?

Alberto Prado (@Alberto_Prado)

Com certeza depende do celular tb. Se não puder usa 4×4 MIMO, não tem como atingir as alta taxas de transferências.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

E não são todas as operadoras no Brasil que suportam MIMO 4x4.

Luiz C. Eudes Corrêa (@Eudes)

Maravilha de SDR que basta uma atualização de firmware pra ter a novidade no equipamento atual, pelo menos nas torres das operadoras.

Só espero que não abandonem o 4G pra focar só no 5G, sendo que hoje o 4G ainda não é explorado em todo o potencial que possui, embora tenha me surpreendido com o da Claro fazendo CA com 4 portadoras atingindo 220Mbps numa cidade do interior, mas poderia ser até maior.

Caleb Enyawbruce (@Enyawbruce)

Curioso que até um tempo atrás o 5G era prometido como uma revolução gigantesca, pra mudar a humanidade, porem com notícias como essa saindo constantemente (como esta e esta que citam malabarismos pra vender uma “suposta” rede 5G) me fazem pensar que não vai passar de um “4G turbinado”…

Luiz C. Eudes Corrêa (@Eudes)

4,75G

Se bem que a Claro poderia pegar as antenas e freqüências da Nextel e usar pro 5G deles sem comprometer a infra atual deles, como uma rede independente/separada da principal para fins de homologação do 5G

Como as torres da Nextel são relativamente novas, talvez só precisem de upgrade de chegar com fibra nas torres e com sorte só atualizar o firmware pra habilitar o 5G usando as freqüências atuais.

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

Não to falando de velocidade e agregação, to falando de como celulares mais básicos e antigos se comportam com esse malabarismo nas torres, será que não vai piorar muito o 3g e 4g?
Não acho justo ter de trocar de celular pra 5g para conseguir receber a mesma velocidade que recebo hoje no 4g já que o 4g não tem mais a mesma velocidade.

Acho que a Claro agora só vai investir em 4g onde ela puder entregar 5g junto, ou seja, vai depender da malha de fibra óptica pra expandir a cobertura.

Alberto Prado (@Alberto_Prado)

Isso é algo que depende mais de como ela vai fazer essas espécie de “QoS” (gerenciamento) da banda de backbone e se ela vai aumenta a banda dele. Tipo, digamos que uma torre costuma atender 100 clientes ao mesmo tempo entre 2G/3G/3G+/4G/4G+. Conseguindo entrega 50% do que a tecnologia oferece (Brasil né…) com uma banda de 1Gbps com link dedicado no backbone. Se ela implanta esse 5G (que não é 5G de verdade pq não vai ter a frequência adicional) e quer “demonstra” a tecnologia, ela vai separar uma parte da banda pra isso. Se não adiciona mais banda além dos 1Gbps, com certeza vai falta para os outros clientes já que dizem que vai atingir altas velocidades. Mas se adiciona mais banda, isso não vai ser sentido tanto.
Acho que eles farão isso, já que tá bem restrito a algumas cidade centrais em bairros nobres onde a infra é melhor.

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

Me preocupo mais com o espectro do que com o backbone, fibra tu enfia mais velocidade nela, 1gbps pra um par de fibra é pouco hoje em dia, mas não tem magica, tu vai tirar 5 ou 10 Mhz do 4g hoje pra dar pro 5g, isso significa 25 a 50% da velocidade do 4g, se tu definir a prioridade em atender os clientes 5g estamos lascados.
Já fizeram isso com o 3g, hoje é dificil até manda um mensagem de whatsapp por 3g.

Alberto Prado (@Alberto_Prado)

Teoricamente é pra funciona com agregação de frequência. Ou seja, não vai separa alguns Mhz para o 5G. Ela estará operando junto. Talvez ela usa uma modulação de sinal mais veloz, mas fora isso eu não vejo como esse 5G sem a frequência adicional possa ser melhor e mais rápido que um 4G Advanced Pro com agregação de frequência por exemplo.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

O nosso 4G mesmo com agregação ainda é inferior a velocidades atingidas em Taiwan, Coreia do sul… Então vejo esse 5G (Sem sub-6 e ondas milimétricas) aí como uma extensão do que o 4G não atingiu.

Alberto Prado (@Alberto_Prado)

Sim, a mesma coisa aconteceu com o 3G aqui no Brasil e assim vai indo. Nunca a implementação é total. Trabalham mais no marketing do que na qualidade do serviço.