Início » Antivírus e Segurança » Garmin sofre ataque de ransomware e ninguém consegue sincronizar relógios

Garmin sofre ataque de ransomware e ninguém consegue sincronizar relógios

Ransomware teria criptografado arquivos da Garmin; até o call center da empresa está fora do ar. Garmin Aviation foi afetada

Paulo Higa Por

Usuários de relógios da Garmin não conseguem sincronizar seus dados e atividades físicas desde a manhã desta quinta-feira (23). O aplicativo mostra uma mensagem de “manutenção” nos aplicativos móveis e está indisponível na interface web, onde a empresa informa que até seus serviços de suporte foram afetados pela queda. A causa da indisponibilidade seria um ataque de ransomware.

Garmin Connect fora do ar

“Estamos enfrentando uma indisponibilidade que afeta o Garmin Connect e, como resultado, o site e o aplicativo móvel estão fora do ar no momento. Essa indisponibilidade também afeta nossos call centers e atualmente não podemos receber ligações, e-mails ou mensagens de chat. Estamos trabalhando para resolver o problema o mais rápido possível e pedimos desculpas pelo inconveniente”, diz a Garmin no Twitter.

O Garmin Connect centraliza os dados de saúde, atividades físicas e outras métricas geradas pelos dispositivos da empresa, como relógios e balanças. O aplicativo também é utilizado para receber os treinos e sincronizá-los com serviços de terceiros, como o Strava. Com a queda, não é possível visualizar a última atividade física por meio do celular, e os recursos que dependem do aplicativo não funcionam.

Garmin Connect fora do ar

De acordo com o ZDNet, a Garmin sofreu um ataque de ransomware, que criptografa dados de computadores com senha e pede um resgate, normalmente em bitcoins, para liberar o acesso. O ransomware mais famoso da história, o WannaCry, se espalhou para 150 países em 2017 e causou quedas em serviços da Telefônica e do sistema público de saúde do Reino Unido. Não se sabe qual malware teria atacado a Garmin.

A praga teria sequestrado arquivos da rede interna de computadores da Garmin e até mesmo linhas de produção na Ásia. Para restaurar os dados e colocar seus servidores de volta ao ar, a Garmin deverá demorar vários dias. Em Taiwan, onde a Garmin possui fábricas, os funcionários teriam sido avisados de uma manutenção que duraria até sábado (25). O site taiwanês iTHome diz que a empresa foi atacada por um “vírus”.

A Garmin não comenta publicamente o que causou a queda do Garmin Connect e do call center da empresa. Na madrugada de quinta-feira (23), quando o problema começou, funcionários da Garmin foram às redes sociais para avisar que a companhia foi atacada pelo ransomware WastedLocker.

Queda da Garmin também afeta aviação e inReach

A queda nos serviços da Garmin não afeta apenas dispositivos para usuários finais, mas também o braço de aviação, a Garmin Aviation. Uma página de status informa que recursos de comunicação via satélite para voz, texto, previsão do tempo e relatos de posição estão com “performance degradada”.

O Garmin inReach também está instável, afetando os aplicativos e o sistema de cobrança. O serviço de comunicação via satélite da Garmin permite enviar alertas de perigo (SOS) e mensagens de texto; a empresa diz que esses recursos operam normalmente.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
7 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

² (@centauro)

O problema de ter um servidor central pra sincronizar.

Esse é um tipo de serviço que daria muito bem para ser local.

Everton Favretto (@evefavretto)

Os reloginhos fitness podem esperar, mas me assusta mesmo é que a Garmin fabrica GPS pra aviação geral. Imagina o perigo disso.

Eduardo Alvim (@Eduardo_Alvim)

Há relatos de que mesmo ontem a noite os sistemas da Garmin já estavam inoperantes. Antes de dormir tentei sincronizar meus novos treinos, não deu. Mas nem me toquei que pudesse ser algo grave. Acordei cedo para treinar, tentei de novo e nada. Tive que consultar a planilha do treinador e memorizar o treino… O relógio em si não perdeu a funcionalidade. Travou o GPS, monitorou a atividade, gravou e me mostrou todos os dados. Só mesmo a sincronização que foi prejudicada.

Na semana retrasada, o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil também teve seus sistemas afetados. O SICCAU, onde todos os arquitetos registram suas RRT, ficou pelo menos 7 dias indisponível. Esse tipo de situação tem sido bastante recorrente. Será que os gestores de infra não estão comendo mosca?

Juliano Machado Olivetti (@Juliano_Machado_Oliv)

É uma situação gravíssima! O que acontecerá com meu dados? Será que a Garmin tem backup em local que não foi afetado?? São anos e anos de treinos, meias maratonas, maratonas…Sempre confiei na nuvem da Garmin, e não tenho os arquivos locais, tirando o último ano integrando com o Strava.
Se a crise não se resolver logo e de uma forma menos drástica, vai faltar relógios da Polar no mercado…

Everton Favretto (@evefavretto)

Até o dia que atacarem a Polar com ransomware.

Juliano Machado Olivetti (@Juliano_Machado_Oliv)

Pode acontecer…tecnicamente também pode com a Microsoft, Apple, Google, Amazon…Polar, mas não foi o caso. Apesar de casos de ransomware serem cada vez mais comuns, geralmente atingem pequenas e médias empresas, e não é esperado corporações do porte da Garmin numa situação lamentável como essa.