Início » Aplicativos e Software » Android terá API do Google para ultra wideband (UWB) em celulares

Android terá API do Google para ultra wideband (UWB) em celulares

É pouco provável que a API de UWB criada pelo Google fique pronta neste momento; quem sabe para o Android 12 do ano que vem

André FogaçaPor

O Google começou a preparar uma API para tratar de ultra wideband (UWB) em futuros smartphones e apps. A novidade pode padronizar a tecnologia já implementada em alguns aparelhos de marcas como Samsung e Xiaomi, entregando mais ferramentas para desenvolvedores criarem recursos compatíveis.

Xiaomi demonstra Mi 10 com conexão UWB (Imagem: reprodução)

Xiaomi demonstra Mi 10 com conexão UWB (Imagem: reprodução)

A Samsung já tem dois celulares capazes de trabalhar com o UWB: Galaxy Note 20 e Note 20 Ultra. O ultra wideband é uma tecnologia que tira proveito de ondas eletromagnéticas para transferir arquivos com maior velocidade entre gadgets próximos, ou então para encontrar com precisão outros dispositivos – como demonstrou a Xiaomi recentemente.

Neste momento as ferramentas necessárias para a implementação da tecnologia estão nas mãos de fabricantes, especialmente com a Samsung que disponibiliza o único aplicativo compatível da plataforma: o SmartThings Find. O Google está desenvolvendo uma API para ajudar nesse caminho e a presença do gigante das buscas pode facilitar o trabalho dos desenvolvedores, que querem ter em seus apps alguma função de UWB e que funcione com o maior número possível de Androids.

API do Google para UWB pode demorar a chegar

Como a API ainda está sendo criada, é pouco provável que ela apareça tão logo para quem cria hardware e software, principalmente pela baixa quantidade de dispositivos compatíveis no mercado. Como o UWB é promissor e funciona até mesmo para encontrar um celular ou acessório perdido no meio das almofadas do sofá, mesmo sem usar a internet, é bem provável que este tipo de conexão apareça em mais gadgets só a partir do primeiro trimestre do ano que vem.

Até lá é melhor continuar com serviços de nuvem para compartilhamento de arquivos e o buscador de dispositivos do Android para saber onde foi parar seu celular ou tablet. O segundo exemplo pode ser feito ao digitar “onde está meu celular?” no Google, desde que o buscador esteja logado com a mesma conta do aparelho perdido.

Com informações: XDA-Developers.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
5 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

fiquei curioso sobre a tecnologia, o texto podia ter trazido mais detalhes técnicos sobre ela como frequência e velocidades.

Vítor Gomes (@vctgomes)

Mas é a mesma tecnologia. A diferença q agora a “integração” virá diretamente no Android, ao invés de necessitar de modificações de fabricantes.

É quase o q aconteceu com o dual-SIM do Android a um tempo atrás.

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

Achei algumas explicações perdidas pelas internet, mas nada especifico sobre como UWB tá sendo implementado nos celulares.

Felipe Ventura (@felipe)

A gente não entrou em detalhes porque já temos um artigo sobre o UWB, linkado no post:

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

Essa foi uma das que eu já tinha lido, acho que a saída vai ser procurar material mais técnico em inglês quando tiver um tempinho.

Vandir Sousa Ribeiro (@Vandir_Ribeiro)

Espero que melhorem, pois infelizmente depois de muito estudo, percebi que tanto a Google quanto Microsoft não sabem de praticamente nada! Estou desenvolvendo um IDE em C++ para os analistas e o que descobri de falhas das empresas não é pouco! Primeiro que a Google usa como base um sistema operacional que não foi eles que desenvolveram já começa o erro aí! Segundo que o Android é simplesmente um interpretador de HTML e Java,ou seja, você cria um pacote e roda em cima de um navegador desenvolvido em Linux importando todos os bugs! O melhor seria comunicar direto com o Hardware! Mas para isso, eles não irão conseguir fazer não!