Início » Internet » Google, Facebook e Twitter se unem contra fake news sobre vacinas

Google, Facebook e Twitter se unem contra fake news sobre vacinas

Google, Facebook, Twitter e agências de checagem de fatos tentam combater desinformação sobre vacinas contra coronavírus

Victor Hugo Silva Por

Uma iniciativa uniu Google, Facebook e Twitter contra desinformação a respeito de vacinas. As empresas trabalharão junto com agências de checagem de fatos e órgãos de governo do Reino Unido e do Canadá para estabelecer responsabilidades no combater às fake news e formas de atuação que funcionem para todas as organizações.

Google - escritório

A iniciativa é organizada pela Full Fact, uma entidade que atua contra a desinformação. Além das empresas e de órgãos governamentais, o novo projeto tem apoio de agências de checagem de fatos de países como Reino Unido, Espanha, Canadá, Argentina, Índia e África do Sul, e grupos como a International Fact-Checking Network.

Em comunicado, a Full Fact destacou as medidas individuais que são adotadas contra fake news e apontou que é preciso uma aplicação consistente com foco na transparência. A organização afirmou ainda que com a iminente liberação de uma vacina contra o novo coronavírus, é importante se antecipar a uma onda de desinformação que possa desacreditar a medicina.

“Esse projeto é uma tentativa de aprender as lições de ondas anteriores de informações ruins, seja durante eleições ou pandemias, para ter certeza de que estamos todos prontos para conter a próxima crise antes que ela se desenrole”, afirmou a Full Fact. “Ao planejar antes que os eventos aconteçam e discutir os objetivos coletivos em diferentes tipos de organizações, todos podemos nos mover mais rapidamente para responder de maneira proporcional, eficaz e bem evidenciada”.

Facebook proíbe anúncios contra vacinação

O esforço conjunto acontece após as plataformas adotarem medidas contra a desinformação a respeito de vacinas. Em outubro, após receber alertas de autoridades de saúde, o Facebook anunciou a proibição de anúncios com discurso anti-vacina. Segundo a empresa, o objetivo é levar aos usuários mensagens sobre segurança e eficácia da vacinação.

O Google, por sua vez, passou a exibir alertas sobre vacinas contra COVID-19 no YouTube. Nos avisos, apresentados abaixo de vídeos e em buscas por termos relacionados à pandemia, a plataforma indica que informações oficiais estão disponíveis em órgãos de saúde do país do usuário.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
2 usuários participando