Início » Gadgets » Xiaomi Mi Band 5: a queridinha segue reinando

Xiaomi Mi Band 5: a queridinha segue reinando

Líder de vendas, a Mi Band 5 traz vários recursos para monitorar o seu condicionamento físico, mas a geração regrediu na bateria

Darlan Helder Por
Xiaomi Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Xiaomi Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

A Mi Band é a pulseira fitness mais popular e também a mais vendida do mundo. A geração atual, a Mi Band 5, promete melhorias significativas em relação aos modelos anteriores, como um carregamento magnético mais simplificado, tela maior, novos modos de treino e outros recursos para monitorar o seu condicionamento físico. Entretanto, ela regrediu na bateria que agora é de 125 mAh, contra 135 mAh da Mi Band 4.

Será que esses upgrades justificam a troca para a quinta geração? Ainda vale a pena ter a smartband da Xiaomi? Eu avaliei a Mi Band 5 nos últimos dias e compartilho as minhas impressões nos próximos minutos.

Análise da Xiaomi Mi Band 5 em vídeo

Aviso de ética

O Tecnoblog é um veículo jornalístico independente de tecnologia que ajuda as pessoas a tomarem sua próxima decisão de compra desde 2005. Nossas análises de produtos são opinativas e não possuem nenhuma intenção publicitária. Por isso, sempre destacamos de forma transparente os pontos positivos e negativos de cada produto.

Nenhuma empresa, fabricante ou loja pagou ao Tecnoblog para produzir este conteúdo. Nossos reviews não são revisados nem aprovados por agentes externos. Esta unidade da Mi Band 5 foi adquirida pelo Tecnoblog no varejo.

Design e tela

Os relógios inteligentes dominaram o mercado e a Mi Band 5 é uma opção para quem busca algo mais discreto. Apesar de não ter um design rico em detalhes, a smartband conta com bons materiais e as opções coloridas são ainda mais interessantes. Um comparativo rápido com a quarta geração e, logo de cara, a tela grande no modelo atual é o que chama a atenção, o que é muito positivo.

Outra vantagem significativa, além do formato mais modesto, é o peso de 11,9 gramas, a pulseira fica muito confortável e não gera incômodos durante o uso, tanto que vez ou outra eu até esquecia que a Mi Band 5 estava no pulso, até chegar uma notificação.

Xiaomi Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Xiaomi Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

A Xiaomi manteve a resistência à água em até 5 AMT (50 metros), podendo ser utilizada durante o banho, na piscina, no entanto a empresa não recomenda você a usar em saunas e em mergulhos intensos.

A tela touchscreen da Mi Band 5 é AMOLED e passou a ser de 1,1 polegada, assim como a do Samsung Galaxy Fit 2, seu concorrente direto aqui no Brasil. A resolução é de 294×126 pixels e a Xiaomi aumentou o brilho que agora atinge 450 nits, enquanto a Mi Band 4 tinha 400 nits. Na prática, temos um visor mais vivo e que favoreceu as animações coloridas disponíveis no sistema.

Xiaomi Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Xiaomi Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Já a visualização sob a luz solar é boa e também ficou melhor ler as notificações e navegar pelo menu com esses aprimoramentos, embora eu tenha ressalvas sobre a exibição de caracteres especiais que falarei mais adiante. Ainda assim, em comparação com outras pulseiras populares, como a Huawei Band 4 e a Honor Band 5, esta Mi Band se sobressai no quesito tela.

Recursos e experiência de uso

A smartband continua entregando os principais recursos para você monitorar a sua saúde e a introdução de novos modos de treino também foi um bom upgrade. A Xiaomi adicionou outras modalidades, como yoga, remo, bicicleta ergométrica, corda e elíptico. Estão disponíveis, ainda, natação, ciclismo e caminhada. O menu concentra dez atalhos: o monitor de frequência cárdica, de estresse, de respiração e o PAI (Personal Activity Intelligence) que ajuda o usuário a entender a sua condição física através de algoritmos e pontuações.

Disponível para Android e iPhone (iOS), e compatível com Apple Health e Google Fit, o aplicativo Mi Fit permite visualizar todos os dados coletados pelo vestível e ajuda a analisar a qualidade do seu sono, o ritmo cardíaco, definir alarmes e notificações. Infelizmente, a Mi Band 5 não tem GPS integrado, por isso você deve utilizar o celular para registrar as suas corridas e caminhadas.

Xiaomi Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Xiaomi Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O sensor de frequência cardíaca pode fazer a monitorização automática, porém limitada a 1 minuto, 5, 10 ou 30 minutos. Além disso, ela pode alertar quando o ritmo for superior a 100 bpm e você, se quiser, pode definir um teto que vai até 150 bpm. Para observar a atuação desse recurso, eu comparei com um Huawei Watch Fit e ambos os dispositivos apresentaram dados equivalentes, num momento calmo, trabalhando no computador eles me entregaram 69 bpm.

A Mi Band 5 faz a análise das suas noites de sono reunindo métricas detalhadas que podem te ajudar a mudar alguns hábitos. Eu já sei que tenho mais sono leve do que profundo e a smartband conseguiu detectar isso durante a avaliação. A cada dia, ela mostra se você acordou facilmente, se adormeceu tarde e compartilha dicas para mudar tudo isso. O que é muito interessante em vez de apenas jogar os dados sem nenhuma informação complementar.

Reprodução de música na Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Reprodução de música na Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Quanto aos modos de smartwatch, temos alguns prós e contras. Começo pelo fotografia remota que permite tirar fotos no celular à distância com a Mi Band, atuando como um obturador. E o mais legal é que ele serve para gravações de vídeo, também. O controle de reprodução de música funciona acertadamente permitindo pausar/dar play, mudar de faixa e controlar o volume sem qualquer dificuldade.

Porém, o que mais me incomoda na Mi Band, ainda, são as notificações, principalmente porque ela não reconhece caracteres especiais, tampouco emojis. Dependendo da mensagem, eu mal consigo entender o que está escrito e já passou da hora de pôr um fim a essa limitação das smartbands.

Notificações na Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Notificações na Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Os mostradores são outro ponto forte da pulseira da Xiaomi. Embora seja um dispositivo competente e recheado de recursos, o Galaxy Fit 2 não oferece watchfaces animados, isso não significa que não vale apostar no rival, mas pude perceber que a Mi Band 5 aproveita melhor o visor e pode até exibir mais informações na tela principal.

Apenas para melhorar a experiência de uso, a Xiaomi poderia deixar um atalho na primeira tela do app para trocar o mostrador, sem a necessidade de clicar em “perfil”, selecionar a pulseira e, por fim, clicar na “loja”, onde ficam eles.

Xiaomi Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Xiaomi Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Em conectividade, o dispositivo tem Bluetooth 5.0 e, durante o período de avaliação, não houve problemas de sincronização com o meu telefone. Além das funcionalidades já citadas, o gadget traz previsão do tempo (com máxima e mínima), incluindo para os próximos dias e a umidade relativa do ar. Para isso, ela usa a sua localização atual e pode até emitir alertas, caso queira.

Lembretes, alarme, relógio mundial, alerta de inatividade, cronômetro e aviso de chamada telefônica são outros recursos presentes. A má notícia é que a versão vendida no Brasil não traz NFC para pagamentos por aproximação.

Bateria

A Mi Band 5 tem uma nova bateria de 125 mAh, para fins de comparação, o Galaxy Fit 2 tem 159 mAh e a Mi Band 4C tem 130 mAh de capacidade. Apesar disso, a Xiaomi afirma que o usuário pode ter até duas semanas de uso com apenas uma carga. Exibindo todas as notificações, com o monitoramento do sono, de ritmo cardíaco e estresse ativados, eu consegui chegar no nono dia com 52% restantes, um número excelente.

No aplicativo, eu gostei de a empresa colocar o nível da bateria, bem como a última vez que o aparelho estava conectado à alimentação para ter um melhor controle da autonomia.

Novo método de carregamento da Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Novo método de carregamento da Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Isso ainda me lembra de outro avanço significativo. Finalmente, a chinesa alterou o modo de alimentação e agora é possível fazer o carregamento da Mi Band sem a necessidade de remover a pulseira, uma mudança mais que bem-vinda!

Xiaomi Mi Band 5: vale a pena?

A Mi Band 5 ainda tem cara de Band 4, mas isso muda ao acionar o visor. A tela maior foi um grande acerto da empresa, isso porque os mostradores mais detalhistas conseguem aproveitar bem a tela de 1,1 polegada e o novo modo de carregamento, como dito anteriormente, completa a lista de pontos positivos. Para donos de Mi Band 4, talvez não valha a pena migrar para a geração atual, isso se você não faz questão dos novos modos de exercícios e se a telinha de 0,95 polegada ainda dá conta do recado.

Xiaomi Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Xiaomi Mi Band 5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Se você está chegando agora e busca por um modelo híbrido e acessível, sem ser smartwatch, então, sim, a Mi Band 5 pode ser uma boa opção. É possível usá-la durante exercícios simples e complexos, e ainda tem a vantagem de monitorar a sua saúde através do aplicativo oficial que concentra informações detalhadas, mas isso não é sinônimo de precisão.

Devido à popularidade, lembrando que, hoje, esta versão é encontrada por menos de R$ 200 no varejo, adquirir pulseiras variadas acaba sendo mais fácil. Por outro lado, bem que a Xiaomi poderia liberar o NFC para a versão global, quem sabe na próxima geração, não é?

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
5 usuários participando