Início » Gadgets » Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860: espaçoso, mas confortável

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860: espaçoso, mas confortável

Ainda que seja caro e ocupe muito espaço, o Logitech Ergo K860 é um dos melhores teclados ergonômicos para o home office

Darlan Helder Por
Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O Ergo K860 é o novo teclado de trabalho da Logitech. Como o próprio nome sugere, ele tem um design ergonômico que promete reduzir a tensão muscular durante a digitação. Além disso, graças ao Bluetooth, o periférico pode conversar com vários dispositivos diferentes e deixa a sua mesa de trabalho mais limpa, livre dos fios.

No Brasil, o K860 tem preço sugerido de R$ 899. Será que é o investimento certo para o seu setup de home office e produtividade? Durante um mês, eu testei o teclado Logitech Ergo K860 aqui no Tecnoblog e compartilho todos os detalhes neste review.

Análise do Logitech Ergo K860 em vídeo

Aviso de ética

O Tecnoblog é um veículo jornalístico independente que ajuda as pessoas a tomarem sua próxima decisão de compra desde 2005. Nossas análises não têm intenção publicitária, por isso ressaltam os pontos positivos e negativos de cada produto. Nenhuma empresa pagou, revisou ou teve acesso antecipado a este conteúdo.

O teclado Bluetooth Ergo K860 foi fornecido pela Logitech por doação e não será devolvido à empresa. Para mais informações, acesse tecnoblog.net/etica.

Design

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 e Ergo K480 Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 e Ergo K480 Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

É inegável: um dos grandes destaques do teclado Ergo K860 é o design. É o ponto que a Logitech mais ressalta em sua comunicação; também é o ponto que merece uma atenção neste review. Eu quero começar pelo processo de adaptação: antes de receber o K860, eu estava usando um K480, da mesma empresa, que tem uma proposta muito diferente deste modelo maior, já que foca no multi-device. Nos primeiros dias, foi difícil me adaptar ao teclado maior, mas logo consegui dominar, depois alguns dias.

Assim como o Surface Ergonomic, da Microsoft, o Ergo K860 tem uma divisória inteligente que deixa as mãos separadas e na posição correta para evitar conflitos durante o trabalho. O formato curvado e a largura de quase 46 centímetros permitem que eu digite naturalmente, sem forçar o antebraço. Já o descanso de pulso, munido de duas espumas, fez com que eu sentisse menos incômodos durante as produções de texto.

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Diferente de teclados comuns, as pernas de inclinação do periférico da Logitech ficam na parte inferior. Pode ser estranho num primeiro momento, mas você vai notar que a posição contrária favorece a inclinação e o apoio de pulso. Portanto, mais conforto.

Usabilidade e autonomia

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

As teclas slim do Logitech Ergo K860 são confortáveis, macias e mais silenciosas que as do K480. Não há nenhum toque de sofisticação: não é um problema e isso apenas reforça que o produto é melhor utilizado em escritórios ou no trabalho em casa. As teclas também não são retroiluminadas: por um lado favorece a autonomia, mas trabalhar no escuro com ele é mais complicado.

Em termos de usabilidade, posso dizer que este periférico é ideal para quem digita o dia inteiro. É um bom produto para jornalistas, escritores, professores, advogados, roteiristas e criativos em geral. Ao contrário do K480, eu pude sentir um alívio na região do ombro usando o Ergo K860, isso porque ele é extenso e naturalmente faz com que eu fique na posição correta. Entretanto, esse formato abundante pode ser prejudicial para quem tem uma mesa pequena.

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Outra vantagem do gadget que vale pontuar é a adaptação de sistema. O periférico já foi projetado para funcionar no Windows e no Mac, tanto é que ele ganhou algumas teclas personalizadas com “Alt” + “Command” e “Option” + “Control”. A Logitech inseriu no topo três teclas de emparelhamento, isso indica que o teclado é multi-device: eu consegui configurar ele em um notebook com Windows, foi possível digitar em um iPhone 11, bem como no iPad. A comunicação com o dispositivo pode ser feita tanto por Bluetooth como por receptor USB que, inclusive, pode ser guardado junto das pilhas.

Na autonomia, o K860 depende de apenas duas pilhas palito (AAA) e, felizmente, elas são enviadas com o periférico. Segundo a Logitech, o teclado permanece funcionando por até dois anos com essas pilhas, o que é realmente ótimo. Depois de dois anos, o LED do dispositivo fica vermelho para avisar que o combustível está perto do fim; também é viável monitorar a autonomia pelo programa disponibilizado pela empresa, o que nos leva ao próximo tópico deste review.

Software e customização

Programa Logi Options (Imagem: Reprodução/Tecnoblog

Programa Logi Options (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)

O Ergo K860 tem suporte ao Logi Options, que é um programa gratuito para você configurar o teclado. Disponível para Windows e Mac, ele é um complemento importante para personalizar as teclas superiores e até aprimorar a multitarefa. É possível atribuir comandos para teclas diferentes: eu consegui abrir o Photoshop pelo botão de pesquisa; o F5 ficou responsável por abrir a página do Tecnoblog no Edge; e configurei o F10 para desligar o computador. Ao todo, você consegue alterar 12 teclas.

Por ser multi-device, é possível checar em qual dispositivo o teclado está pareado. No programa, você pode ativar o Logitech Flow, que permite alternar e digitar em máquinas diferentes ao mover o cursor de uma tela para outra. É um ótimo recurso que aprimora a multitarefa; o problema é que você precisa de um mouse compatível (ou seja, de outro produto Logitech).

Logitech Ergo K860: vale a pena?

O Logitech Ergo K860 é um excelente teclado ergonômico. O modelo foi muito bem projetado e conseguiu manter os meus ombros relaxados, a digitação mais natural e confortável. No entanto, assim como os concorrentes, ele ocupa muito espaço e acredito que esse seja o principal ponto negativo do produto, além da falta de luzes. Se a sua mesa de trabalho for pequena, possivelmente você terá que retirar alguns objetos para conseguir usar o K860.

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Teclado Bluetooth Logitech Ergo K860 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Além da ergonomia, eu devo parabenizar a Logitech por entregar um ecossistema decente, que consegue fazer os periféricos da marca se comunicarem muito bem. O multi-device, que faz o equipamento conversar com até três dispositivos diferentes, é outro recurso muito bem elaborado e que funciona sem problemas. Com apenas um teclado, eu consigo trabalhar no notebook, no tablet e até no celular.

O K860 é um produto para o home office e deve agradar a maioria das pessoas. Apesar do preço alto, ele pode ser uma alternativa ao Microsoft Sculpt Ergonomic, que é ainda mais caro no Brasil. A Microsoft ainda tem no mercado o combo Sculpt Comfort Desktop, esse mais acessível, e que pode ser mais vantajoso para quem está com o orçamento apertado.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
12 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Eu (@Keaton)

MDS… eu achei que essa design de teclado tinha sido enterrado nas areias do tempo para nunca mais voltar… mas parece que alguém escavou igual escavaram os cartuchos de ET… D:

Eu adorava esse tipo de teclado, mas atualmente nem tenho tanto espaço na mesa. (Já estou sofrendo com um TKL por causa dos cadernos…)

Sei lá, eu até compraria um… se ele não custasse 900 reais. pqp. UM TECLADO aparentemente de membrana custando quase um salário mínimo… hahaha TECLADO. mds… Brasil tá ferrado mesmo.

Sérgio (@trovalds)

Não pagaria esse valor nem se fosse ABNT(2). Uso teclados ergonômicos desde muito tempo e nesse quesito a MS era a única que dava atenção às terras tupiniquins.

Agora parece que a Logitech resolveu “testar” o mercado pra ver se há aceitação do produto deles. Bom, tomara que vingue e eles criem a versão ABNT(2).

Não tenho mais idade e muito menos paciência pra me readaptar à digitação em teclado US, que muda posição de acentuação, cedilhado tem que “acentuar” a letra C, apóstrofo e aspa tem que digitar 2 vezes pra poder usar e etc.

Enquanto isso vou com meu MS guerreiro que já tá comigo há uns bons anos. E torcendo pra MS continuar disponibilizando os ergonômicos com layout ABNT por aqui.

Eu (@Keaton)

Tu não tem idéia de como EU sou chato nesse quisito. Teclado com power/sleep/awake ou com as teclas home/end/pgup/pgdw/insert/delete bagunçadas são detestados. O pior é quando o power/sleep/awake estão onde o prtscr/scroll lock/pause ficam e eu acabo apertando. Esses sim são defenestrados…

Carlos Alberto Rocca (@carlosrocca)

Darlan, saberia dizer que marca é esse mousepad que aparece nas imagens e no vídeo?

Darlan Helder (@darlanhelder)

É o de feltro de lã 80x30cm da kryptonmen

Igor (@igor_meloil)

A habilidade de digitação não é objeto do review. Independente de vc “saber usar o teclado como ele foi projetado pra usar” ou não, o importante é o editor saber o que ele precisa analisar e informar ao leitor/expectador, e acredito que neste ponto o Darlan se saiu muito bem.