Início » Brasil » Dirigentes de 11 partidos se unem contra voto impresso na urna eletrônica

Dirigentes de 11 partidos se unem contra voto impresso na urna eletrônica

Movimento tenta barrar a aprovação da PEC 135/2019, que pretende instaurar o voto impresso; TSE aponta riscos da proposta defendida por Bolsonaro

Ana Marques Por

A PEC do voto impresso, defendida de forma assídua pelo presidente Jair Bolsonaro, vem sendo amplamente criticada por parlamentares. Em tramitação na Câmara dos Deputados, o texto propõe que os números de candidatos digitados na urna eletrônica sejam impressos, e que esses comprovantes sejam depositados em uma urna de acrílico. Contrários à proposta, dirigentes de 11 partidos montaram uma aliança para tentar vetar a emenda.

Urna Eletrônica (Foto: Antonio Augusto/Ascom/TSE)

Urna Eletrônica (Foto: Antonio Augusto/Ascom/TSE)

Segundo Bolsonaro, as urnas eletrônicas, usadas há 25 anos no Brasil, não são confiáveis. O presidente também afirma que as Eleições 2018 — votação que o colocou no poder — foram fraudadas. Para 2022, ele quer implementar o voto impresso unido à urna eletrônica como uma suposta forma de garantia para eventuais fraudes no sistema, permitindo que os votos sejam auditados manualmente.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rebate as falas de Bolsonaro e afirma que as urnas eletrônicas utilizam o que há de mais moderno em tecnologia para garantir “ a integridade, a confiabilidade, a transparência e a autenticidade do processo eleitoral”, em entrevista à Agência Senado.

A PEC do voto impresso (135/19) chegou perto de sair de pauta na última segunda-feira (5), com 15 votos contra e 15 a favor, mas o relator Filipe Barros (PSL-PR), decidiu manter a discussão após uma sessão na Câmara. Com a movimentação dos 11 partidos, incluindo representantes do PSL, Progressistas, PSD, MDB, PSDB, Republicanos, DEM, Solidariedade, Avante e Cidadania, os parlamentares acreditam que poderão derrubar a medida por meio da substituição de integrantes na comissão.

PEC do voto impresso é “retrocesso”, diz presidente do TSE

Frente aos ataques de Bolsonaro ao sistema de urnas eletrônicos, o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do TSE, iniciou uma campanha pública para fornecer mais informações a respeito da segurança deste método de votação. Barroso esclareceu, em uma sessão temática no Plenário do Senado, que urnas eletrônicas são auditáveis, apesar das falas do presidente da República.

“O voto impresso sairia da mesma urna eletrônica que estaria sob suspeita. Portanto, quando se frauda o eletrônico, frauda-se também o impresso. É um paradoxo”, completou.

Na Câmara, Barroso também disse que, em caso de aprovação da PEC, o método deverá ser adotado pelo TSE, mas que o sistema representaria um “retrocesso” — “Vai piorar. Vai ficar bem pior. Aliás, a vida vai ficar parecida com o que era antes”, concluiu.

Com informações: Migalhas, Agência Senado.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
21 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@teh

Voto impresso é só uma desculpinha pro gado dar, caso o bolso perca…

Lucas Pinheiro (@LucasMiller)

O que eu não entendo é como ngm se toca que isso facilitaria em 100% os currais eleitorais, afinal, se vc tem um comprovante de papel do seu voto, qqr um poderia confirmar em quem vc votou.

Gustavo Guerra (@GustavoGuerra)

Se urna estiver comprometida ela poderia emitir o comprovante diferente do que foi computado, a menos que o golpista seja burro.

Sou à favor também, afinal, no modelo atual temos que acreditar na urna e nos únicos com acesso a ela, como o TSE.

Isso é algo que muitos não se tocam mesmo, e pode ser um problema sério para o voto secreto. Por isso sou à favor do recibo não revelar o voto, mas sim ter algum sistema de autenticação para auditorias, talvez usando chaves criptográficas por exemplo.

Certamente isso deixaria todo o processo não só mais seguro, como transparente também, dando maior confiabilidade para algo que só é digital.

Jhonny (@jokalokao)

Não é para o comprovante ficar com você, mas sim verificar logo após o voto e armazenar em uma urna.
Voto de cabresto é a tentativa que estão fazendo de voto pelo celular…

Lucas Pinheiro (@LucasMiller)

Nesse casso acharia totalmente válido, seria mais uma medida de segurança!

Tenho que concordar, no Brasil, não temos condições sociais para adotar votos pelo celular ou por correios (como nos EUA).

Jhonny (@jokalokao)

Já existe, Microsoft Election Guard

Igor Pamplona (@Igor_Pamplona)

não li ninguém ainda, mas só quero dizer que o problema real nem é imprimir um canhotinho que o eleitor (nem ninguém) não vai ter contato pra dar uma olhadinha antes de sair da seção.

O negócio é o uso político-eleitoreiro que bolsonaro faz disso. Ele vive de blefe forjado atrás de blefe forjado, vide todas as insinuações dele sobre tudo, apostando sempre num escândalo artificial. Não existe absolutamente NENHUM indício de fraude nas eleições passadas. Muito menos ele tem “provas”, ele não prova nada e ele nunca vai provar. O que ele faz é alimentar uma paranóia que não existe pra ganhar fidelidade dos fãs deles (bolsonaro não tem apoiadores, tem fãs), vide as diversas mentiras espalhadas sobre a urna eletrônica (não eu não disse que é perfeito, antes que venham encher o saco). Ele sabe muito bem que não vai acontecer o canhoto impresso até a eleição mesmo que tudo corra suavíssimo e seja aprovado imediatamente. É cálculo político, não é boa-intenção.

Eduardo Luiz Caixeta (@eduluiz)

O debate acerca do voto impresso é válido e precisa ser mais discutido/debatido, porém a tentativa de implementar isso a toque de caixa pra próxima eleição realmente tem a finalidade de colocar em dúvida o sistema eleitoral, tal qual o Mister Orange fez.
Dito isso, já trabalhei em várias eleições como mesário (felizmente não sou mais convocado) em uma cidade pequena do interior. É nítido a dificuldade de algumas pessoas em utilizar a urna eletrônica e não estou falando só de pessoas idosas, muita gente mais jovem tem dificuldade, seja por falta de escolaridade ou nervosismo.
É comum que durante a votação as pessoas digam que não viram a foto do candidato, especialmente em votações pra prefeito em que o pessoal acima de 70 anos, que não é obrigado a votar, faz questão de sair de casa pra apoiar o candidato da família X ou Y.
Num cenário com voto impresso, falando como ex-mesário, já prevejo a confusão na conferência: o voto impresso constando nulo (por erro da pessoa) e a pessoa alegando que votou no candidato X (ou que ainda não votou e queria votar), porque esse tipo de coisa acontece com bastante frequência.
Sem contar as pessoas mal intencionadas que com certeza vão querer causar distúrbio no local de votação dizendo que votou em um candidato mas o voto impresso saiu constando outro. Como proceder nesses casos? Num momento tão polarizado com certeza isso vai acontecer pra colocar em dúvida o sistema eleitoral e viralizar nos grupos do zap.
Além de toda discussão técnica sobre segurança, confiabilidade, auditoria da urna e sistemas, faz se necessário discutir amplamente sobre todas as implicações de se implementar o voto impresso.

ivanilton (@ivanilton)

O que penso sobre voto impresso e com o que você falou, somente confirma o que eu penso: voto impresso e politico cheiram a falcatrua.
O sistema atual está elegendo qualquer um para os cargos, qualquer um mesmo, no sentido literal, é qualquer zé ruela pode ser candidato e tem oportunidade de ganhar, não sei como, mas ganha. É só olhar para o presidente, deputado, senador, governador, prefeito e vereado. Esquerda, direita, centro e extremos e certeza que deve ter algum que não se enquadra também faz parte e ganha. Não tem como dizer que tem fraude, e pior sem provas, e ser eleito nele.
O sistema atual tem que melhorar e aperfeiçoar com as novas tecnologias que estão sendo e já foram desenvolvidas: blockchain, inteligencia artificial, criptografia quântica…, ser mais transparente e opensource. A evolução tem que ocorrer.
Essa história de voto impresso para ter mais segurança, isso é conversa para boi dormir, dos fanáticos da extrema e das teorias conspiração de ter controle em um negócio que eles não tem ou não tem capacidade de entender. Uns dos lemas do caras, é liberdade e segurança, mas não dão a mínima do Estado de Vigilância que vivem.
As outras eleições antes da urna eletrônica já mostrou os milhares de problemas do voto impresso
Enquanto não sairmos dessa politização que estamos vivendo, para poder debater em como melhorar o sistema atual, mexer do que jeito que está é estupidez, vai ser como dá o tiro no próprio pé e arma é uma bazuca.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Não sei nem porque estamos discutindo propostas retrógradas.

Se a proposta é modernizar o sistema eleitoral brasileiro e trazer mais confiabilidade, não vai ser fazendo meio caminho.

Se a fraude existe, ele ocorre independente do que o papel de comprovante emitir. Tendo isso em mente, o papel extra não vai trazer mais confiabilidade ou melhorar o sistema como um todo.

Acho sim que precisamos modernizar o sistema eleitoral e as urnas em si. Trazer para próximo do eleitor um sistema mais moderno e intuitivo, que abarque tecnologias como blockchain, chaves criptográficas … Porém desenvolver um novo sistema eleitoral leva tempo, mas parece não ser do interesse de ambas as partes. Só querem tumultuar, cada um a sua maneira.

Vale fazer a ressalva de que deveria ser extinta a opção de voto em branco e nulo. Se o indivíduo vai votar, ele precisa saber em quem e porque. Para quem antes votaria em branco ou nulo, que fosse dado a liberdade de não ser obrigado a votar.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Querem o comprovante para evitar fraudes, mas se a fraude existe, não vai ser o comprovante que irá evitar.

Não adianta adicionar um comprovante, sem antes modernizar todo o sistema eleitoral.

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

Nosso direito de protesto está cada vez mais limitado, e agora tu ainda acha que não devemos ter o direito de protestar nas urnas. Os políticos corruptos aprovam essa tua meta.

https://www.correiobraziliense.com.br/brasil/2021/07/4936803-mulher-e-presa-por-bater-panela-em-protesto-contra-motociata-de-bolsonaro.html

Eu nem digo 50%, acho que no momento onde os brancos sejam maior que o candidato com mais votos, quer dizer que a eleição já deu errado e precisa ser refeita do zero. E se não quer votar em nenhum dos candidatos e nem votar em branco, simplesmente não vá e pague a multa de 3 ou 4 reais, hoje da pra gerar e pagar ela pelo celular.