Início » Finanças » Pagamento via Pix no iFood vai ficar mais fácil para quem tem conta no Itaú

Pagamento via Pix no iFood vai ficar mais fácil para quem tem conta no Itaú

Quem tem conta no Itaú vai poder escolher pagamento via Pix no iFood e digitar senha para concluir a transação, sem copiar e colar códigos

Por

O Pix é bastante descomplicado: na maioria dos casos, basta digitar uma chave ou ler um QR Code, colocar o valor da transferência e pronto. O iFood e o Itaú, porém, querem deixar isso ainda mais fácil. Agora, será possível fazer um pedido no app de delivery, escolher o Pix nas opções e digitar a senha do banco para concluir o pagamento. A troca entre aplicativos é automática.

Entregador do iFood (Imagem: divulgação/iFood)
Entregador do iFood (Imagem: divulgação/iFood)

Antes, era necessário fazer o pedido, copiar um código no iFood, ir até o app do banco, fazer login, entrar na área do Pix, colar o código e concluir a transferência. Quem está acostumado deve achar fácil, mas isso pode ser uma barreira para pessoas menos familiarizadas com smartphones, por exemplo.

A novidade melhora a experiência do cliente, mas não é só isso: também é mais interessante para a empresa porque, aparentemente, muita gente desistia no meio do caminho ou não concluía o pagamento. “O desenvolvimento do facilitador de pagamentos torna a usabilidade mais rápida e simples, e promete minimizar pedidos não concluídos e QR Codes abandonados”, diz o comunicado.

Banco Central prevê iniciador de Pix

A troca de apps para completar um pagamento pelo Pix parece mesmo ser um problema ou, no mínimo, uma dificuldade na experiência.

O Banco Central tem desde julho um regulamento para situações parecidas com essa do iFood e do Itaú. O nome técnico é iniciador de transação de pagamento. O serviço estava previsto para o final de agosto, mas foi adiado para o dia 29 de outubro. Ele é uma das partes do open banking, e o cliente precisa dar consentimento para o compartilhamento de dados.

Na prática, uma instituição autorizada como iniciadora (que pode ser quem está fazendo a venda ou uma intermediadora) pode solicitar um Pix. Aí, tudo que o usuário tem que fazer é confirmar sua senha bancária e concluir o pagamento. Assim, o cliente não precisa entrar sozinho no app do banco e colar os códigos, simplificando o processo.

Ao anunciar o recurso, o Banco Central mencionou justamente apps de delivery e transporte como uma das situações possíveis. Outra é o uso em mensageiros e redes sociais — você poderia fazer um Pix para um amigo diretamente desse aplicativo, por exemplo, apenas confirmando a transferência no banco.