Arquivo Celular

Nokia é uma plataforma de petróleo em chamas, afirma Stephen Elop

Thássius Veloso
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Você está sozinho em uma plataforma de petróleo, lá no Mar do Norte. Repentinamente, um incêndio começa a consumir a plataforma, com direito a labaredas e muitas chamas. É hora de tomar uma decisão: ficar na construção e ser consumido pelo fogo ou pular de cabeça num dos mares mais gelados do mundo. O que você faria?

Foi com essa história que Stephen Elop, o CEO da Nokia desde setembro do ano passado, iniciou um longo e tenebroso memorando, que foi publicado na rede interna dos funcionários da empresa. Se você tinha dúvidas de que a Nokia estava em apuros, fique sabendo que o próprio presidente da fabricante afirma isso.

Elop compartilhou uma série de ponderações acerca do desempenho da Nokia, que está muito aquém do esperado. A empresa seria a plataforma de petróleo em chamas, e cabe a ele decidir o que precisa ser feito para salvá-la enquanto há tempo.

Um dos motivos para a Nokia se ver em situação tão difícil é o iPhone, que foi apresentado pela Apple em 2007. Segundo Elop, é “inacreditável” que a Nokia ainda não consiga oferecer um produto cuja experiência de uso seja tão agradável como a do smartphone da maçã. O próprio CEO admite que a escalada da Apple é impressionante: de 25% de participação no mercado de aparelhos que custam 300 dólares ou mais em 2008 para 61% no ano passado.

Cadê o iPhone Killer da Nokia? Até mesmo Stephen Elop se faz  essa pergunta.

Outro fator que taca mais fogo na plataforma chamada Nokia é o Android. Elop não poupou elogios aos dizer que o Google é uma “força gravitacional” que atrai muito da inovação da indústria de smartphones para o seu núcleo. Não é por acaso que o Android cresce a passos galopantes.

Para completar, a Nokia ainda tem que competir com os chineses, que criam aparelhos a preços muito baixos, com sistemas de qualidade duvidosa, numa velocidade extremamente rápida. Como exemplo do contraste, o MeeGo prometido para o ano passado corre o risco de ter apenas um aparelho rodando o sistema ainda nesse ano. Atrasos e mais atrasos fizeram com que esse cenário nebuloso fosse pintado, para desespero da nokia.

“Nós ficamos para trás, perdemos as grandes tendências, e perdemos tempo”, segue Stephen Elop no memorando. Ele diz que foi-se o tempo dos dispositivos que competem com outros dispositivos.

Atualmente o que existe é a guerra de ecossistemas, na qual “ecossistemas incluem não apenas o hardware ou o software do dispositivo, mas também desenvolvedores, aplicativos, e-commerce, publicidade, busca, aplicações sociais, serviços baseados em localização geográfica, comunicação unificada e muitas outras coisas”. Não é surpresa para ninguém que a Nokia esteja longe de oferecer um ecossistema com essas características.

Como fica a situação do Symbian? Segundo o CEO da Nokia, esse sistema não é só anti-competitivo em mercados importantes como o dos Estados Unidos, como mostrou-se cada vez mais complicado para que desenvolvedores o adotem e ainda assim consigam perseguir tendências de hardware e software. Em outras palavras, ficou para trás.

Já no fim do memorando, Stephen Elop diz que chegou a hora de decidir se a Nokia vai construir ecossistemas, catalisar algum deles e ou juntar-se a algum que já existe. O que você acha que vai acontecer? Será que dá tempo de apagar esse incêndio?

Com informações: PC World, Engadget.

Thássius Veloso

Ex-editor-executivo

Thássius Veloso foi editor e editor-executivo do Tecnoblog de 2008 a 2014. Liderou o noticiário e cobriu de perto os maiores acontecimentos do mercado de eletrônicos de consumo, games e serviços. É jornalista, palestrante e apresentador de tecnologia na rádio CBN e no canal de TV por assinatura GloboNews.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque