Justiça americana proíbe financeira de cobrar dívida pelo Facebook

Thássius Veloso
Por

“Devo, não nego. Pago quando puder”. Com esse lema, uma americana vem rolando faz tempo uma dívida que tinha relacionada ao empréstimo para pagar o carro. Ficou uma dívida de US$ 362, que ela não paga desde o ano passado. Eis que a empresa contratada para executar a dívida da mulher começou a entrar em contato de uma maneira ainda incomum para esse tipo de cobrança: via Facebook.

A Mark One Financial, da Flórida, entrou em contato com Melanie Bechanam por meio da rede social que mais cresce no mundo. Não bastasse isso, a empresa também mandou mensagens para amigos e contatos da sra. Bechanam, pedindo que avisassem a ela para entrar em contato com a financeira, a fim de resolver uma dívida pendente.

Sentindo-se invadida, a sra. Bechanam entrou na justiça e ganhou o direito de não ser mais incomodada na rede social. Ainda que o serviço tivesse sido contratado pela internet, a empresa em questão não pode se utilizar de um serviço virtual para entrar em contato com a pessoa, ainda mais de forma pública.

Foi mais ou menos assim. (dramatização: Thássius Veloso)

Foi mais ou menos assim. (dramatização: Thássius Veloso)

Os advogados da americana alegaram que a firma de cobranças invadiu a privacidade da cliente ao procurá-la por meio da rede social. Por sua vez, a Mark One Financial afirmou que seus funcionários são instruídos a procurar devedores nas redes e mídias sociais somente quando não respondem às tentativas de contato por telefone e por correspondência convencional.

A que ponto nós estamos chegando? Daqui a pouco o banco vai publicar no seu mural do Orkut que você parcelou determinada conta e não pagou.

Com informações: Huffington Post.