Eu usei o iPhone 15 pela primeira vez; estas são as minhas impressões

Tecnoblog viajou até os Estados Unidos para acompanhar o Apple Special Event. Smartphones chegam ao Brasil por preços entre R$ 7.299 e R$ 10.999.

Thássius Veloso
Por
Mão segurando celular
iPhone 15 Pro Max é feito de titânio (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Direto de Cupertino, EUA – A espera acabou e o iPhone 15 está entre nós. Eu participei do lançamento no Apple Park, a impressionante sede da empresa nos Estados Unidos. Também pude passar alguns instantes com os novos smartphones. Nas linhas a seguir, vou te contar as minhas primeiras impressões sobre os sucessores da linha iPhone 14.

Antes de tudo, porém, falemos dos preços: eles custam a partir de R$ 7.299 pelo iPhone tradicional e R$ 10.999 pelo Pro Max. Nesta primeira análise, quero focar no que há de diferente em relação às gerações passadas e também no que mais deixou dúvida em quem me segue nas redes sociais.

O tal do titânio

A Apple fez estardalhaço ao anunciar o corpo de titânio no Pro e no Pro Max deste ano. Trata-se de um material mais forte e mais leve do que o aço inoxidável. Já falamos disso em outra matéria.

Eu experimentei os dois produtos no Steve Jobs Theater. É interessante porque ao observar o reflexo da luz sobre os aparelhos, você nota que eles têm uma espécie de micropigmentação. A arte que convidava para o evento “Emoção em ação” já deixava isso evidente.

Lateral de celular
iPhone 15: construção em titânio parece que conta com micropigmentação (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Eles são mais leves, mas não muito. O Pro Max caiu de 240g para 221g, de acordo com o GSM Arena. Normalmente os telefones flagship são muito pesados, então qualquer redução é bem-vinda para quem eventualmente sofre com tendinite.

Cabe dizer ainda que os produtos estão belos! Pouca coisa mudou em relação ao iPhone 14 Pro e 14 Pro Max. É um design sofisticado, conhecido, e que certamente irá incomodar quem esperava por um movimento mais ousado da maçã. Talvez em 2024…

Mão segurando smartphone
iPhone 15 Pro Max tem corpo de titânio (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Eu fiquei particularmente encantado com as novas bordas, que são mais finas do que na geração passada do iPhone Pro. Tenho um 14 Pro Max e posso dizer que o entorno da tela depõe contra o conhecido design da Apple. Isso mudou no iPhone 15 Pro e, a meu ver, ainda há espaço para melhorar.

Por sinal: a fabricante repete a fórmula de sucesso do passado, com modelos que oferecem tela de 6,1 ou 6,7 polegadas. Eu sou do time que prefere as versões com ProMotion, ou seja, taxa de atualização de 120 Hz.

A chegada do USB-C

Até que demorou, mas agora os telefones da Apple têm USB-C no lugar da porta Lightning. A gigante foi esperta ao se antecipar a uma regra que começa a valer em 2024 nos países da União Européia.

Apesar de a motivação ser puramente regulatória, esta é uma boa notícia para o consumidor. Será mais fácil pegar emprestado o carregador do amiguinho. A adoção do USB-C significa menos confusão ao organizar os cabos e fios que levaremos conosco na próxima viagem.

Mão segurando celular
Porta USB-C no iPhone 15 (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Os telefones terão cabo USB-C x USB-C na caixa. Talvez algumas pessoas precisem providenciar um novo plugue de tomada ou adaptador. Faz parte. Pelo menos não está sendo uma transição para uma nova porta totalmente desconhecida ou mesmo proprietária de uma única empresa.

Eu perguntei e recebi a resposta de que os principais periféricos USB-C vão funcionar no iPhone, desde que também funcionem nos outros sistemas para dispositivos móveis da maçã. Isso pode se traduzir em mais possibilidades para quem já tem mouse ou teclado USB-C, mas não possuía adaptadores para conectá-los à porta Lightning.

Por fim, a fabricante foi pragmática ao oferecer cabo USB 2.0 na caixa. Os clientes que assim desejarem, poderão adquirir um cabo USB 3. Me parece que será um uso bastante nichado, por exemplo, entre criadores de conteúdo que necessitam de veloz transferência de dados do smartphone para o MacBook.

O zoom de 5x

Os novos iPhones (todos eles) tiram fotos de até 48 megapixels. Esta é uma excelente notícia para quem está pensando em comprar o iPhone 15 ou o iPhone 15 Plus, que deram um salto em relação aos 12 megapixels de outrora.

Mão segurando celular; zoom na lente da câmera
Detalhe da câmera do iPhone 15 Pro Max (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Cabe lembrar que megapixel não é tudo, mas que, neste caso, é interessante ver a possibilidade de ver a função de Quad Pixel em ação. Ou seja, o próprio app de câmera combina 4 pixels num só para gerar imagens mais nítidas.

Já o iPhone 15 Pro Max (somente ele) passou a contar com uma teleobjetiva de 5x. Essa função existe nos telefones da Samsung há milênios, então podemos dizer que a maçã estava atrasada. Os clientes terão mais uma opção na hora de fazer fotos em que o personagem principal se destaca do fundo – até porque isso tudo funciona também em modo retrato.

Eu estou bem curioso para testar a fundo e entender melhor o funcionamento das novas câmeras, principalmente no que diz respeito ao pós-processamento. Hoje em dia, penso que os mecanismos de software do iPhone estão deixando a desejar. Composições que antes levariam a fotos perfeitas deixam a desejar na geração 14. É como se o pós-processamento tivesse piorado em vez de melhorar.

Tecla de ação

Dá para dizer que o iPhone 15 Pro e o iPhone 15 Pro Max têm um novo botão. A tecla de ação ficou no lugar daquele interruptor que liga/desliga o modo silencioso. Faz todo o sentido, afinal de contas, quem deixa o celular sem modo silencioso atualmente?

Funciona assim: você pode dar um toquinho para ver qual será o atalho a ser acionado a partir daquela tecla. Ou pode pressionar por alguns instantes para efetivamente ativá-lo. Dá para abrir a câmera (com direito a escolher o sensor). Também dá para ativar a lanterna, iniciar uma gravação de voz ou iniciar um aplicativo (a partir dos Atalhos de sistema), entre outras opções.

Mão segurando celular
Ajuste da tecla de ação no iPhone 15 Pro (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

O Apple Watch Ultra oferece recurso similar desde o começo. É como se a Apple estivesse dando mais alternativas para quem efetivamente usa o smartphone até o limite. Excelente pedida.

Dynamic Island em tudo

Eu estava lá quando a Apple anunciou a chegada da Dynamic Island, aquele notch diferentão com recursos interativos. Foi durante o evento do iPhone 14 Pro, em setembro de 2022.

Um ano se passou e agora todos os aparelhos da geração 15 trazem a tecnologia. Isso significa que os adeptos dos modelos mais simples não ficam para trás no quesito design.

Mão segurando celular
Detalhe do notch interativo no iPhone 15 (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)
Mão segurando celular
Controle de música na Dynamic Island do iPhone 15 (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

A discussão aqui é outra, sobre a utilidade da Dynamic Island. Eu recorro a ela com frequência no meu iPhone 14 Pro Max para controlar música ou obter informações rápidas a partir do app da companhia aérea (que faz a contagem regressiva para o próximo voo e ainda informa o assento).

Falta, porém, que mais desenvolvedores de apps embarquem nesta ideia. São pouquíssimos os apps não nativos da Apple que oferecem recursos de Dynamic Island. O cenário tende a mudar agora que será algo presente em todos os telefones da empresa.

Todo o resto

A geração do iPhone 15 traz inovações incrementais em relação ao que vimos no passado. Ela mostra que a Apple continua se mexendo e buscando formas de facilitar a interação do usuário com seus dispositivos.

Mão segurando celular
Traseira do iPhone 15, lançamento pela Apple em setembro de 2023 (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Eles trazem algo disruptivo? Não, mas essa é uma discussão carcomida sobre a maturidade dos smartphones – em especial os modelos de ponta. Os potenciais compradores de iPhone 15 são aqueles clientes que trazem o iPhone 12 ou mais antigo no bolso. Para eles será um upgrade bastante interessante.

Os demais adeptos do universo da maçã continuarão bem até que chegue o iPhone 16. A menos que odeiem o Lightning e não queiram comprar um adaptador que vende baratinho em sites chineses.

Thássius Veloso viajou para os Estados Unidos a convite da Apple

Relacionados