Google Tradutor

Será que um dia o Google Tradutor (Translate) conseguirá fazer traduções perfeitas, que levam em conta o contexto de cada frase? Tudo indica que sim: o Google revelou que o serviço agora está mais eficiente, ou seja, faz interpretações muito mais precisas. Mérito do avanço da tecnologia de inteligência artificial da companhia.

No comunicado oficial, o Google explica que o sistema de tradução neural do Google Tradutor aprende a criar traduções mais exatas ao longo do tempo. Com a recente atualização, o sistema agora pode interpretar frases inteiras em uma só tacada em vez de fazer esse trabalho a partir de blocos muito pequenos.

Ao interpretar frases inteiras de uma só vez, as chances de atribuição correta de contexto à tradução aumentam. De acordo com a companhia, isso está permitindo que o Google Tradutor gere traduções mais próximas da forma como as pessoas falam, resultando em textos que podem ser compreendidos mais facilmente.

Esse Google Tradutor mais “fluente” já está funcionando do inglês para oito idiomas (e vice-versa): alemão, coreano, chinês, espanhol, francês, japonês, português e turco.

Fiz uns testes rápidos aqui do inglês para português e, de fato, a melhora é perceptível. O serviço ainda não faz traduções perfeitas, mas está mesmo mais preciso. Algumas frases apresentam erros, mas, mesmo nesses casos, o contexto correto quase sempre é apresentado.

Mas eu notei uma limitação: textos com mais de 800 palavras exibem a mensagem de erro “solicitação muito grande”. Se isso acontecer, a dica é colocar o link do texto no campo do serviço para que a página seja traduzida de modo direto ou simplesmente fazer a tradução em blocos.

Google Tradutor - erro

O plano, segundo o Google, é fazer a nova versão do sistema de tradução neural funcionar com todos os 103 idiomas compatíveis com o serviço.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Relacionados