Início / Notícias / Legislação /

MP pede que YouTube remova vídeos com propaganda disfarçada para crianças

MP-SP abre ação civil pública para Google remover vídeos de youtubers mirins com propaganda velada para crianças

Felipe Ventura

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

O MP-SP (Ministério Público do Estado de São Paulo) quer que o Google remova vídeos do YouTube com propaganda infantil disfarçada. Alguns youtubers mirins não deixam claro quando fazem conteúdo patrocinado de bonecas e outros produtos para crianças. A ação civil pública menciona táticas publicitárias para brinquedos da Mattel e Candide.

A youtuber mirim Júlia Silva em vídeo sobre bonecos de Monster High

A ação começou após uma denúncia do Instituto Alana para defesa da infância. A youtuber mirim Júlia Silva fez uma campanha relacionada à franquia Monster High, da Mattel, ao longo de doze vídeos em 2016. As seguidoras do canal tinham que cumprir uma série de desafios — vestir-se como os personagens e criar uma coreografia, por exemplo.

As vencedoras iriam se encontrar com a youtuber e ganhar bonecas de Monster High. No entanto, o canal — agora com 4 milhões de inscritos e quase 1 bilhão de visualizações — não deixava claro que isso era uma campanha publicitária. Os vídeos não estão mais disponíveis.

O caso motivou o MP-SP a abrir um inquérito civil para investigar o “uso de estratégias abusivas de comunicação mercadológica dirigida ao público infantil”.

A Promotoria pede que diversos outros vídeos sejam retirados do ar, envolvendo os canais Duda MH, Felipe Calixto, Gabriela Saraivah, Manoela Antelo, Marina Bombonato e Vida de Amy. A ação menciona vídeos em que os youtubers mirins abrem a embalagem de bonecas LOL, vendidas pela Candide.

MP quer que empresas deixem de fazer propaganda velada

Além disso, o MP quer que o Google proíba a monetização de vídeos que violam direitos infantis. A ação alega que o YouTube deixa “diversas crianças e adolescentes expostas a estratégias abusivas de venda ao não adequar suas políticas de uso”.

O promotor Eduardo Dias notificou as companhias envolvidas para que elas deixem de fazer propaganda velada. “Diversas empresas, aproveitando-se da hipervulnerabilidade tanto da criança youtuber como da criança espectadora, passaram a enviar seus produtos a esses influenciadores digitais para que eles os desembrulhassem e apresentassem como verdadeiros promotores de vendas”, diz a ação.

Mattel e Candide não se pronunciaram; o Google diz que não comenta casos específicos.

Com informações: Veja, Folha.