Notícias Aplicativos e Software

Linux 5.13 pode trazer suporte inicial a Macs com M1

Suporte inicial não fará kernel Linux rodar todos os recursos de Macs com chip M1, mas representa primeiro passo

Emerson Alecrim
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

O próprio Linus Torvalds chegou a declarar que gostaria de contar com um MacBook com chip M1 (Apple Silicon) rodando Linux. Vai demorar para isso acontecer, mas os primeiros passos já estão sendo dados: o kernel Linux 5.13, previsto para o meio de 2021, poderá incorporar um suporte inicial ao processador da Apple.

MacBook Pro (2020) com Apple M1 (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

MacBook Pro (2020) com Apple M1 (imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Sim, suporte inicial quer dizer funcionamento restrito, com vários recursos não implementados. Mas não por falta de empenho: como a Apple não tem interesse em apoiar a execução do Linux em Macs com chip M1, a companhia não liberou nenhuma documentação técnica para facilitar esse trabalho.

Consequentemente, os desenvolvedores engajados nessa missão precisam se virar para fazer o Linux se entender a plataforma Apple Silicon.

Hoje, o desenvolvedor que mais se dedica ao assunto é Hector Martin (Marcan), que criou o projeto Asahi Linux justamente para permitir que distribuições Linux rodem em Macs com M1.

Graças a uma campanha de financiamento no Patreon, Marcan vem conduzindo os esforços de desenvolvimento necessários para isso e relatado o quão desafiador é compatibilizar uma distribuição Linux com o chip da Apple.

"Prévia" do Asahi Linux (imagem: Hector Martin/Asahi Linux)

“Prévia” do Asahi Linux (imagem: Hector Martin/Asahi Linux)

Apesar de difícil, o trabalho já dá algum resultado. O próprio Hector Martin enviou uma solicitação aos mantenedores do kernel para incluir o suporte inicial ao Apple M1 nas atualizações para ARM que serão liberadas com o Linux 5.13.

Essa inclusão no kernel, se confirmada, fará o Linux suportar instruções relacionadas a UART, SMP e Device Tree no chip M1, por exemplo. Mas vários outros recursos ficarão de fora, principalmente para execução de recursos gráficos, a parte mais complexa.

A despeito das limitações, esse não deixa de ser um começo relevante. Resta torcer para que tudo dê certo e a incorporação ao Linux 5.13 realmente ocorra.

Com informações: Phoronix.

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais, negócios e transportes. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém um site chamado Infowester.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque