Início / Notícias / Computador /

M1 Ultra é o lançamento “monstruoso” da Apple que une dois M1 Max em um chip

Com 20 núcleos de CPU, Apple M1 Ultra é 90% mais rápido que Intel Core i9-12900K; chip equipa novo Mac Studio

Emerson Alecrim

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

O trio M1, M1 Pro e M1 Max impressiona tanto que parecia não haver mais espaço para novos chips da Apple na atual geração. Mero engano: nesta terça-feira (8), a companhia fez o anúncio do Mac Studio, desktop que tem o novíssimo Apple M1 Ultra como principal atrativo. Trata-se do chip mais poderoso para desktops que a companhia já criou (até agora).

M1 Ultra (imagem: divulgação/Apple)
M1 Ultra (imagem: divulgação/Apple)

Imagine dois chips M1 Max trabalhando juntos. Essa é a maneira mais fácil de resumir o Apple M1 Ultra.

Não é exagero. A novidade conta com uma tecnologia chamada UltraFusion que permite justamente que duas unidades M1 Max sejam unificadas. Trata-se de um interposer (interface de conexão) de silício que, nas palavras da Apple, conecta os dois chips por meio de mais de 10.000 sinais de comunicação.

A tecnologia UltraFusion também permite que o M1 Ultra se comporte e seja reconhecido como um processador único, razão pela qual desenvolvedores não precisam reescrever código para trabalhar com ele.

Mas os números do chip conseguem prender ainda mais a atenção. Para começar, o M1 Ultra é baseado em tecnologia de 5 nanômetros, conta com incríveis 114 bilhões de transistores e pode atingir uma largura de banda interna de 2,5 TB/s (terabytes por segundo).

Nas especificações, a novidade traz 20 núcleos de CPU. Destes, 16 têm alta performance e contam com 48 MB de cache L2. Os quatro núcleos restantes são focados em eficiência energética e trabalham com 8 MB de cache L2.

Há ainda 32 núcleos para a tecnologia Neural Engine, que acelera tarefas baseadas em aprendizagem de máquina. Esse conjunto é capaz de lidar com até 22 trilhões de operações por segundo.

Tem mais. A GPU é formada por até 64 núcleos que, juntos, fornecem 8.192 unidades de execução. Isso significa que o M1 Ultra é capaz de atingir um desempenho de 21 teraflops em precisão única (FP32).

M1 Ultra ao lado dos demais chips da linha (imagem: divulgação/Apple)
M1 Ultra ao lado dos demais chips da linha (imagem: divulgação/Apple)

Traduzindo os números em desempenho

De acordo com a Apple, o M1 Ultra é até 90% mais rápido que o Core i9-12900K (o chip mais poderoso da 12ª geração da Intel para desktops) em tarefas multithread, mantendo o mesmo padrão de consumo de energia.

Além disso, o novo chip da Apple consegue atingir o desempenho máximo do Intel Core i9-12900K, mas consumindo 100 W a menos.

Nos gráficos, o M1 Ultra alcança desempenho similar ao da GPU Nvidia GeForce RTX 3090 exigindo 200 W a menos.

Como sempre, testes independentes é que vão comprovar se esses comparativos correspondem à realidade, mas parece mesmo que a Apple criou um “monstro”!

É claro que há efeitos colaterais e estes são sentidos pelo bolso. O ganho de performance é tão elevado que isso explica o fato de, nos Estados Unidos, o Mac Studio com M1 Max custar a partir de US$ 1.999, enquanto a versão com M1 Ultra começa em US$ 3.999.

No Brasil, o modelo com M1 Ultra terá preço inicial de R$ 46.999 quando for lançado por aqui.